A verdadeira alegria

jesus

Hoje começa oficialmente o carnaval e lembrei desta frase:

“Nem todos os caminhos levam a Deus, mas Deus percorre todos os caminhos para nos levar até Ele”

Ela foi dita pelo padre Reginaldo Manzotti em um programa do Raul Gil e eu a gravei no coração.

Realmente, o mundo nos oferece vários caminhos e muitos deles nos afastam de Deus, mas sei que Ele sempre estará por perto nos esperando com seu infinito amor, independente das escolhas que iremos tomar.

Eu escolhi fazer um retiro de 5 dias neste carnaval. Mas não julgo quem vai pular e se divertir em bailes e festas, mas espero que lembrem que “tudo me é permitido, mas nem tudo convém” ( 1 Cor 6,12).

Para o mundo sou louca, não me importo. Sou louca de amor por Jesus! E estar com Ele e com pessoas que pensam como eu, para mim é a verdadeira alegria.

Já arrumei a mala, guardei a Bíblia e o terço e estou no aquecimento cantando umas músicas bem alegres que costumo cantar com as crianças da catequese…

Bora cantar juntos?

Eu tenho um barco que navega sobre o mar
e que Jesus é o capitão. (bis)
E os marinheiros que navegam ao seu lado
dizem ter lavado o seu pobre coração. (bis)
Jerusalém, que bonita és, ruas de ouro, mar de cristal. (bis)
Por estas ruas, estas ruas andarei, ruas de ouro, mar de cristal.(bis)

O nome de Jesus é doce, traz gozo, paz e alegria.
Cantando esta melodia, Jesus, Jesus, Jesus.
Subindo, Lá Lá iá, subindo, Lá Lá iá.
Subindo para o céu, eu vou.
Tristeza não vai comigo porque Jesus já me libertou.
Joguei a tristeza fora, em paz agora, contente estou.

Dê um sorriso só, sorriso aberto, sorriso certo, cheio de amor.(bis)
Quem tem Jesus gosta de cantar,
está sempre sorrindo mesmo quando não dá.
Tropeça aqui, oi, cai acolá,
mas depressa levanta e começa a cantar, (bis)

Senhor me queima com a brasa do altar. (bis)
Senhor estou aqui pode me queimar. (bis)
Eu vim aqui foi pra buscar poder. (bis)
Senhor estou aqui, quero receber. (bis)

Conta pra Jesus onde é a sua dor.
Ele é o remédio, confia no Senhor.
Não te desanimes, toma tua cruz,
do que tu precisas, conta pra Jesus.

Vem cá, vem ver. Vem cá, vem ver.
Jesus tá preparando uma benção pra você (bis)

O nome do doador é Jesus de Nazaré,
para receber a benção é somente pela fé. (bis)

Desde o Nascer ao Pôr-do-Sol seja louvado o nome do Senhor.
Desde o Nascer ao Pôr-do-Sol seja louvado o nome do Senhor Jesus.
Proclamai a todos os povos a salvação que Ele nos trouxe.
Rendei-lhe hinos de glória e louvor a Jesus Salvado…o … o… or.

Quem é esse povo? Que povo é esse?
Esse é o povo que vai morar no céu. (bis)
Vai morar, vai morar, vai morar, vai morar,
vai morar, vai morar lá no céu. (bis)

E que hoje… “Não haja tristeza, porque a alegria do Senhor será a vossa força.” (Ne 8,10)

Anúncios

Visitação de Maria à sua prima Isabel – Meditação

(Mons. João Clá Dias, EP)

Visitação-de-Nossa-Senhora

Vamos colocar nossa imaginação neste caminho percorrido por Maria a pé, desde de Nazaré até os montes onde habitavam São Zacarias e Santa Isabel e com os olhos fixos nessa viagem vamos nos voltar para pedir a nossa Mãe Celeste para que Ela nos assista com graças especiais, para repararmos o quanto Seu Imaculado Coração merece. Pois, por nossas simples forças, qualidades, capacidades, não temos méritos suficientes para fazer essa reparação dignamente. Mas se Ela nos emprestar o Seu próprio Coração Imaculado, aí sim, estaremos a altura de realiarmos esta reparação.

Oração Inicial

Oh! Maria Santíssima, medianeira de todas as graças, Vós que neste mistério do Rosário, ao visitar Vossa prima Santa Isabel, demonstrastes uma solicitude extraordinária, uma caridade, um desejo de fazer o bem ao próximo, fora do comum. Fostes sem tardança ao encontro de quem precisava de Vossa ajuda.

Pedimos que durante esta meditação, estejais ao nosso lado inspirando-nos, ajudando-nos, orientando-nos e incutindo-nos muita piedade, muito fervor e muita devoção a Vós. Rogamos que nos ensineis a cada passo, todas as lições que este mistério do Rosário dará a cada um de nós. Minha Mãe, assisti-nos como filhos, como filhas, inteiramente postos em Vossas mãos.

Ave Maria, …..

I – Maria nos convida a empreender um caminho …

Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas, a uma cidade de Judá. E entrou em casa de Zacarias, e saudou Isabel. (Lc 1, 39-40). Maria nos dá o exemplo de quanto nós devemos ser sensíveis, o quanto devemos ser flexíveis, o quanto devemos estar prontos para atender as inspirações que Deus põe em nossas almas.

Quantas e quantas vezes nós ao longo de nossa vida temos essas ou aquelas inspirações, temos esses ou aqueles toques interiores da graça, sentimos em nossa alma que devemos empreender um caminho ou então abandonar algo que nos prejudica, que nos leva a ofender a Deus. Quantas vezes sentimos a voz de consciência, ou a própria voz de Deus nos convidando a empreender um caminho…

Nossa Senhora foi visitar Santa Isabel, não porque pudesse haver qualquer resquício de dúvida, sobre o que tinha dito o Anjo, ou então que este a tivesse enganado. Jamais isto teria acontecido. Ela foi visitar a prima porque recebeu uma inspiração de fazê-lo, foi tocada por uma graça, recebendo assim, um impulso em seu interior e obedecendo a este prontamente. Ela põe-se a campo, porque lhe veio ao espírito uma preocupação:

‘Minha prima está para dar a luz, não contou nada a ninguém, não haverá quem a ajude, ela não tem filhos, está sozinha, eu preciso ajudá-la. Maria não pensou em si; bateu-se em direção à cidade em que estava Santa Isabel, que era distante de três a quatro dias de caminhada. Certamente acompanhou alguma caravana que por lá passava, pois, viajar sozinho naquela época, era um risco enorme.

Entretanto, pôs-se em direção para onde? O Evangelho diz:”foi com pressa às montanhas…”

Ela não fez um plano de viagem…, bem quando eu me sentir um pouco melhor…, quem sabe, num dia mais propício… Não, “foi com pressa…”. Quando se trata de fazer o bem, é assim que se age. Quando alguém está com alguma necessidade, Ela atende às pressas; e foi por isso que se pôs a caminhar imediatamente. Maria vive dentro da contemplação de Deus, que se encontra no mais intimo de seu coração. Nosso Senhor Jesus Cristo estava sendo formado enquanto homem em seu claustro virginal. Por isso, quanta razão tinha para ficar em casa contemplando este Deus que estava sendo gerado em seu interior. Entretanto, recebida a notícia, não titubeou, põe-se a caminho.

1 – ¨Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas…¨ (Lc 1, 39)

De fato a cidade de Santa Isabel ficava em uma região montanhosa e a distância da cidade de Nazaré até lá, eram de três a quatro dias de caminhada. Era portanto uma viagem penosa e difícil, mas Maria está satisfeita, está alegre, e é esta alegria que a coloca em movimento e a faz com que abandone as comodidades e se ponha a caminhar.

Exemplo magnífico para nós, quando formos tocados por uma graça para seguir um determinado caminho, ou quando formos tocados por alguma inspiração de Deus e somos convidados a abandonar uma situação que nos é agradável, ou então quando é uma situação que nos leva ao pecado, sejamos rápidos, tenhamos pressa e imitemos a Nossa Senhora em sua predisposição em cumprir o dever.

Vamos então, neste primeiro ponto de nossa meditação pedir a graça de poder imitá-La:

Oração:

Oh! Mãe Santíssima, neste versículo do Evangelho que meditamos, vimos o quanto Vós sois para nós um exemplo. Vós, ó Mãe minha, vos pusestes a caminho com toda a diligência, sendo que, todas as comodidades Vos convidavam a ficar em casa, isso muito especialmente pelo fato de ser a Mãe de Deus e estar com o próprio Deus Nosso Senhor em seu interior. Vós podíeis perfeitamente ficar na segurança do lar, entretanto vos apressastes em ir ter com aquela que seria a mãe de São João Batista.

Minha Mãe, dai-me a graça de nunca ser lento em atender as inspirações de Deus, sobretudo, se bem que isto nunca se tenha dado convosco, mas dá-se muito freqüentemente conosco, especialmente quando algum pecado, alguma ocasião próxima, alguma relação de amizade nos afasta do bom caminho. Portanto, quando receber um toque de minha consciência, ou um toque da graça, ou mesmo uma inspiração obtida por Vós a fim de me ajudar, que eu obedeça prontamente à Vossa vontade.

II – O Convívio com os santos!

¨E aconteceu que, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo; e exclamou em alta voz, e disse: Bendita sois vós entra as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre…¨ (Lc 1, 41-42)

Eis aí o efeito da presença de Nossa Senhora, o efeito da devoção para com Ela. Mais ainda, São João Batista três meses antes de nascer já foi santificado por Maria.

É real que os santos no seu convívio santificam, é real que a proximidade com uma pessoa santa faz sempre bem as almas que não se fecham às graças das quais são eles veículo. A influência de um santo também é benéfica. Quando alguém tem possibilidade de se aproximar de uma alma santa, e nós temos vários casos ao longo da história, como por exemplo o de Santo Agostinho, que teve uma mãe santa e acabou por se santificar em parte por causa desta influência. E porque isso? Porque a santidade é contagiante, assim como o mal. Os dois extremos são contagiantes: o bem na sua santidade contagia e o mal na sua maldade e hediondez também contagia. Portanto aí está, Nossa Senhora não é somente santa, Ela é Santíssima e por isso nós não dizemos Santa Virgem, dizemos Santíssima Virgem.

Maria Santíssima chegando à casa de Santa Izabel saudou-a e qual foi o efeito produzido? Foi a santificação da criança que estava sendo gestada, São João Batista saltou no ventre materno. E não há somente isso; pelas palavras de Maria, Santa Isabel que era sua prima, no momento do cumprimento, logo que o timbre de sua voz penetrou em seus ouvidos, nesse momento o Espírito Santo tomou-a. O Divino Espírito Santo poderia perfeitamente tomar Santa Isabel sem o concurso de Nossa Senhora, Ele poderia santificar São João Batista sem a intervenção de Maria. Mas acontece que a simples presença d´Ela por ser Santíssima, como que ¨força¨ o Espírito Santo a agir.

Nossa Senhora é aquela que propicia a santificação, por isso, bom sinal de salvação eterna é ter verdadeira devoção a Maria Santíssima. Ter esta verdadeira devoção à Mãe de Deus, significa sinal de predestinação e devemos agradecer a Deus pelo fato de hoje estarmos aqui nesta igreja, na celebração deste Primeiro Sábado do mês no intuito de reparar o Sapiencial e Imaculado Coração de Maria, poder fazer a confissão, mesmo dentro da oitava, rezarmos o terço, como o fizemos ainda há pouco e recebermos a Eucaristia na Santa Missa que se seguirá. Tudo isso é dom de Deus, é privilégio, é como que um sinal de predestinação.

1 – Santa Isabel dá sinal de grande virtude!

Santa Isabel não teve inveja, mas pelo contrário, é reconhecedora dos benefícios que Deus fez a Maria. Ela, tomada pelo Espírito Santo, externa e exclama toda a admiração que tem por Nossa Senhora. Como é isso difícil de acontecer no gênero humano, infelizmente somos afeitos a comparações, vaidade, inveja, orgulho. É comum no nosso relacionamento social termo casos de pessoas que não elogiam, que não reconhecem as qualidades do próximo, pelo contrário, até diminuem essas qualidades nos outros. Não foi o que se passou com Santa Isabel, estando tomada pelo Espírito Santo, não vê o momento de externar tudo o que pensa a respeito daquela que seria a Mãe do Salvador, e não em voz baixa, porque a Escritura diz: “…exclamou em alta voz, e disse: Bendita és tu entra as mulheres, bendito é o fruto do seu ventre”.

Ou seja, reconheceu que Maria é bendita mais do que ela própria. Não nos esqueçamos que Maria é bem mais jovem que Isabel, esta era quase uma menina perto dela, e entretanto, sendo mais idosa, reconhece as maravilhas, reconhece os dons que Deus deu a Nossa Senhora.

Magnífico exemplo, reconhecer as qualidades dos outros, e isso não é só válido para o gênero feminino, mas também para os homens, devemos sempre reconhecer os valores do nosso próximo e este reconhecimento é uma obrigação moral.

Santa Isabel estava também para dar a luz, mas ela reconhece que aquele que está sendo gerado pela prima, é maior do que o seu próprio filho. Uma mãe reconhecer que o filho de uma outra é mais do que o seu filho, é sinal de grande virtude, mas é precisamente esse grau de virtude que devemos almejar, que devemos desejar, a ponto de reconhecer aqueles que são mais do que nós.

Vamos pedir graças sobre graças para conservar em nós a idéia de uma inteira disposição para fazer bem ao próximo, e também a idéia de ter sempre em mãos a nossa alma, nunca cedendo a nenhuma paixão que nos leve ao pecado.

Oração Final:

Oh! Mãe Santíssima, neste Primeiro Sábado de novembro, aqui estamos nesta igreja (Catedral da Sé) para reparar ao Vosso Sapiencial e Imaculado Coração, imploramos que nossos corações sejam pervadidos da graça de zelo apostólico, de amor ao próximo, do desejo de fazer o bem e de controlar e reter todas as nossas paixões, e jamais ceder ao pecado. Não queremos, ó Mãe, ser mais um daqueles que Vos ofende nos dias de hoje com tanta maldade e fazendo de modo desenfreado tudo aquilo que não é conforme a lei de Deus. Queremos, isso sim, ser santos, queremos trilhar o caminho da perfeição.

Dai-nos, ó Mãe, nós vo-lo pedimos, a graça de nunca abandonar este caminho. Mas se por desgraça, viermos a Vos ofender, daí-nos a graça de um arrependimento perfeito para assim retornarmos ao caminho do bem abandonado.

Assim seja!

Em particular hoje, com a liturgia, detemo-nos a meditar sobre o mistério da Visitação da Virgem a Santa Isabel. Maria, trazendo no seio Jesus recém-concebido, vai visitar a prima Isabel. É uma jovem, mas não tem medo, porque Deus está com Ela, dentro d’Ela. De certo modo, podemos dizer que a sua viagem foi a primeira “procissão eucarística” da História.

Maria, Tabernáculo vivo de Deus que se fez carne, é a Arca da Aliança, em que o Senhor visitou e redimiu o seu povo. A presença de Jesus enche-A do Espírito Santo. Quando entra na casa de Isabel, a sua saudação é transbordante de graça: João estremece no seio da mãe, como se tivesse sentido a vinda d’Aquele que no futuro ele deverá anunciar a Israel. Os filhos exultam, as mães regozijam-se. Este encontro, impregnado da alegria do Espírito, encontra a sua expressão no cântico do Magnificat.

Não é, porventura, também esta a alegria da Igreja, que acolhe incessantemente Cristo na sagrada Eucaristia e O leva ao mundo com o testemunho da caridade concreta, imbuída de fé e de esperança? (Bento XVI, Saudação no final do Rosário recitado na Gruta de Lourdes, nos jardins do Vaticano, 31/5/2005)

(Fonte)

Prece a Nossa Senhora
(Música Padre Reginaldo Manzotti)

Oh Santa Maria vigiai-me, com os olhos de mãe
Que nossas famílias recebam a sua proteção
Cobrir com seu manto sagrado, oh mãe a nós vem
Que estejamos na sua graça pra sempre amém

Oh mãe vem ouvir nossas preces e nos amparai
Livrai mãe querida e afaste de todo o mal
Mostrai o caminho àqueles que não sabem onde ir
Oh mãe vem cuidar do futuro do nosso país

Virgem imaculada, Senhora da esperança
Clareia nossa estrada, olhai nossas crianças
Salvai o povo seu, Nossa senhora vem
Maria mãe de Deus e nossa mãe também

Oh Maria que alegria ver nossas famílias
Unidas pra te louvar
Oh Maria que alegria ter sua companhia
E com você caminhar.

Um momento sagrado em minha vida

Eu estou fazendo o curso “Escola Catequética Paroquial” e tivemos a experiência de escrever nossa Teografia, você sabe o que isso significa?

Até então eu também não sabia e pesquisei o seguinte:

O termo “teografia”, foi criado por um teólogo espanhol, e tem como objetivo ajudar as pessoas a perceberem as marcas de Deus na própria vida; [teo-grafia = escrita de Deus].
Para todo mundo, existem momentos particularmente importantes e marcantes na própria vida. Dizendo de outra forma, para todo mundo, existem eventos, tempos e locais sagrados que marcam a vida e dão novos significados.

E do “resumo” de duas páginas dos meus momentos sagrados que escrevi para apresentar no curso, lembrei deste que vou testemunhar a vocês:

Eu tinha uns 18 anos e estava subindo a rua da minha paróquia, atrasada para o encontro do Crisma e passei rápido por um morador de rua que ficou me olhando. Não parei para dar atenção, mas aquele olhar me tocou, algo diferente, como se quisesse falar comigo…

Neste encontro, tivemos um momento de adoração onde tocou esta música:

morador de rua

Seu nome é Jesus Cristo
Pe. André Luna

Seu nome é Jesus Cristo e passa fome
E grita pela boca dos famintos
E a gente quando vê passa adiante
Às vezes pra chegar depressa a igreja

Seu nome é Jesus Cristo e está sem casa
E dorme pelas beiras das calçadas
E a gente quando vê aperta o passo
E diz que ele dormiu embriagado

Entre nós está e não O conhecemos
Entre nós está e nós O desprezamos

Seu nome é Jesus Cristo e é analfabeto
E vive mendigando um subemprego
E a gente quando vê, diz: “é um à toa
Melhor que trabalhasse e não pedisse”

Seu nome é Jesus Cristo e está banido
Das rodas sociais e das igrejas
Porque d’Ele fizeram um Rei potente
Enquanto Ele vive como um pobre

Entre nós está e não O conhecemos
Entre nós está e nós O desprezamos

Seu nome é Jesus Cristo e está doente
E vive atrás das grades da cadeia
E nós tão raramente vamos vê-lo
Dizemos que ele é um marginal

Seu nome é Jesus Cristo e anda sedento
Por um mundo de Amor e de Justiça
Mas logo que contesta pela Paz
A ordem o obriga a ser de guerra

Entre nós está e não O conhecemos
Entre nós está e nós O desprezamos

Seu nome é Jesus Cristo e é difamado
E vive nos imundos meretrícios
Mas muitos o expulsam da cidade
Com medo de estender a mão a ele

Seu nome é Jesus Cristo e é todo homem
E vive neste mundo ou quer viver
Pois pra Ele não existem mais fronteiras
Só quer fazer de todos nós irmãos

Entre nós está e não O conhecemos
Entre nós está e nós O desprezamos

Podem imaginar o quanto eu chorei neste momento, não é?

Ao final do encontro teve aquele lanche partilhado, ainda mais caprichado, pois era um momento de confraternização de final de ano…

Eu peguei um pratinho e coloquei um pouco de cada coisa, pensando em levar para minha mãe, que sempre gostou dessas guloseimas, mas ao descer a rua estava aquele mesmo homem sentado me olhando.

Eu pensei: “minha mãe vai ter uma ceia de Natal e uma família linda reunida”

E me aproximei dele perguntando se estava com fome.

Ele disse: “quero um café”

Eu disse que não tinha café nem dinheiro para comprar, mas se ele quisesse eu daria o pratinho com o lanche.

Então, ele me perguntou: “você me ama?”

Meu coração ardeu e me deu um frio na barriga, lembrando da música…

E eu respondi: “sim, eu te amo”

E ele pegou o pratinho e não falou mais nada.

Nunca mais vi este homem.

Mas sei que Ele me vê todos os dias…