Síndrome do ninho vazio

Em um determinado momento das nossas vidas, nos damos conta de que os nossos filhos cresceram, e tomaram a decisão de começar um novo caminho de independência. No entanto, isto faz parte da vida, muitas vezes os pais se sentem abandonados e tristes. A síndrome do ninho vazio faz referência a esta situação, trata-se de um sentimento de solidão gerado pela ida de um ou vários filhos de casa. Esta situação faz com que os pais deixem de se sentir importantes para os seus filhos e se sintam irritados e agoniados. A seguir mostraremos, como superar este momento.

empty_nest_by_pacha_urbano

Nova perspectiva da situação. Você deve pensar naqueles aspectos que contribuem com o seu bem-estar. Muitas vezes o relacionamento com os filhos melhora quando eles já não estão em casa. Outro aspecto é o tempo com o que agora você conta para se dedicar a novos projetos.

Dê força para o seu companheiro. Quando temos filhos, muitas vezes nosso companheiro fica de lado. Este é o momento de dar força para o seu companheiro e de realizar aquelas atividades que você tinha adiado. Esta é uma nova etapa da vida que você deve desfrutar totalmente.

Fale do assunto. Pôr para fora os seus sentimentos é o primeiro passo para melhorar. Às vezes, compartilhar este sentimento com nossos entes queridos nos permite perceber que podemos superar esta situação.

Atividades prazerosas. Ao longo da vida as pessoas sempre sentem o desejo de realizar determinadas atividades que lhes dão prazer, mas as exigências diárias, às vezes, fazem com que estas terminem sendo adiadas. Faça uma lista de todas aquelas atividades que você gosta e se prepare para começar a fazê-las.

Pratique um esporte. O exercício físico é muito bom para a saúde e ajuda a relaxar. Saia para caminhar todos os dias durante 30 minutos, e você notará como em pouco tempo se sentirá cada vez melhor.

Cuidado pessoal. Não se abandone, nem se deixe abandonar. Você deve buscar um cuidado pessoal adequado, hoje você tem tempo para isso. É importante que você volte a adotar o papel de mulher, além do de mãe.

Estimule a independência. É importante que seus filhos saibam que podem contar com o seu apoio nesta nova fase. Evite invadir a sua nova casa ou a sua vida com visitas ou telefonemas contínuos. Você deve deixá-los crescer, acompanhá-los e desfrutar com eles esta nova etapa da vida.

Adote um animal de estimação. Se você não tem um marido ou namorado com quem compartilhar este momento e sente que a casa está vazia sem seus filhos, pode adotar um animal de estimação. Eles serão uma grande companhia.

Melhore a relação com seu filho. À medida que passa o tempo, a relação com seu filho mudará positivamente. A maturidade de ambos fomentará outro tipo de comunicação mais frutífera. Você nunca vai deixar o seu papel de mãe, seus filhos estarão ai para você.

(Fonte)

O papel da Fé na busca pela Felicidade

Há um episódio muito interessante vivido por São Francisco de Assis e Santo Antônio de Pádua (ou de Lisboa) que li no livro “Os Segredos da Felicidade”, do Padre Alessandro Campos, leia a seguir:

francisco_antonio“Um belo dia, São Francisco convidou Santo Antônio para passear às margens de um rio turbulento e, então, pediu que ele tentasse enxergar o próprio reflexo nas águas do rio.

Santo Antônio, surpreso com o pedido, olhou e viu que as águas daquele rio estavam tão agitadas que seria impossível enxergar-se ali. Disse, confuso, que não conseguiria realizar a tarefa. Naquele instante, São Francisco explicou a Santo Antônio o sentido da Fé, afirmando que, quando se confia, mesmo em meio a águas turbulentas, é possível ver-se nitidamente.

Quando as águas estão paradas, é fácil enxergar, assim como é fácil ter fé quando não há problemas com o curso de nossa vida. mas quando os ventos sopram e as águas se agitam, sentimos medo e não mais enxergamos. Aquela visão límpida de antes é distorcida pelo peso dos problemas, do sofrimento, do vazio que nos angustia.

Do mesmo modo, acreditamos que Deus está conosco somente quando nossa vida está bem. Quando o sofrimento aparece, sentimos que Ele nos abandonou. No entanto, Ele continua conosco porque nunca nos abandona.”

A história de São Francisco e Santo Antônio nos ensina a essência da Fé. Ter Fé é enxergar principalmente quando as águas estão agitadas. Ter Fé é continuar confiando mesmo quando tudo está confuso e difícil, embora não seja fácil. Por isso, concluímos que a Fé, além de ser um dom divino, é também uma escolha. É preciso tomar a decisão de acreditar todos os dias, mesmo não tendo nenhum consolo, mesmo quando tudo parece perdido. Deus nos acompanha durante nosso sofrimento e não nos deixa sozinhos nunca, mas vigia para que nossa Fé amadureça.

O sofrimento não significa que Deus não nos ama ou que não se importa com nossa felicidade. Esse sofrimento é causado por uma Fé imatura ou por uma visão distorcida de Deus. Quem tem uma Fé madura sente o amor de Deus de forma tão extraordinária que nada – absolutamente nada, nem o sofrimento – pode torna-lo infeliz. O sofrimento pode lhe causar dor, mas não infelicidade.

Vida Nova

dia-das-crianças

Você quer mudanças.

Você pede prosperidade.

Mas acorda, vai ao espelho e não vê novidades.

Sua voz interior sopra ” Vida Nova “, mas tudo parece distante e difícil.

A culpa fica por conta do patrão, da sogra, do governo, da falta de sorte, aí você resolve mudar!

Bem… ” mas só segunda-feira” , ” dia 1º ” , ” depois das férias ” …

Desculpas não faltam, não é mesmo?

Hoje pode ser um novo dia.

Chega de se colocar na condição de vítima!

A conquista de uma Vida Nova requer persistência, autoconfiança e Deus acima de qualquer coisa.

 

Fonte: http://www.padremarcelorossi.com.br/