Um momento com Nossa Senhora da Conceição Aparecida

0ea53-aparecida

Mãe, hoje te chamamos de Aparecida, a Nossa Senhora que apareceu diante de nós. Calada, nos fizeste encontrar-te em meio ao murmúrio das águas. Do céu escutaste o clamor dos que de ti precisavam.
Buscavam peixes… Encontraram a Rainha. Buscavam a coragem… Encontraram a esperança. Buscavam trabalho… Encontraram a fé. E nada se perdeu, nem os peixes, nem a coragem, nem a fé… “Eis aí a tua Mãe”.Assim continuas a ser nossa Mãe, nossa protetora, nossa companheira nas pescarias da nossa vida. Tua cor lembra o amor sem fronteiras, sem preconceitos, sem medidas. Amor que leva à igualdade, que clama fraternidade, que propõe liberdade. Foste colhida e acolhida como uma peregrina que chega, uma estrangeira de águas distantes, mas escolhida e querida como Senhora da nossa casa, da nossa pátria, da nossa vida.
Acolhe agora, em teu Sagrado Coração as súplicas do teu povo brasileiro. Ave cheia de Graça espalha por este Brasil imenso a graça da tua coragem, a candura da tua fé. Enternece os corações endurecidos pela ganância, distorcidos pela mentira, embrutecidos pelo egoísmo; vê Mãe, que deles depende o alívio de tantas misérias e dores.
E porque és bendita entre todas as mulheres, te confiamos também nossos próprios filhos. Ajuda-nos a resgatar os que se perderam, a libertar os confusos, a curar os feridos e adoecidos pelas maldades do mundo. Acolhe e abraça nossas crianças que ora colocamos a teus pés. Ajuda-nos a ensinar-lhes o que de ti e de teu filho Jesus temos experimentado. A misericórdia que acolhe, a ternura que acalenta, o amor que perdoa, que vai ao encontro… Tem-nos faltado a serenidade que escuta, a espera paciente, a confiança no irmão, a sabedoria da escolha… Há tanto que lutar pelas coisas da vida, que esquecemos o valor da própria vida… Da nossa, da Tua e a do Teu filho, Jesus… “Fazei o que Ele vos disser”.
És a Senhora do Silêncio, pronta a ouvir, perceber e sentir como nós nos sentimos, como e onde estamos… Tão grande é teu amor, que sempre te aproximas preenchendo nosso espaço, ocupando nossos corações, iluminando nossos caminhos, ensinando-nos a viver.
Nossa Senhora da Conceição Aparecida, espalha teu suave perfume para renovar em nós a esperança de vermos socorridos e libertados os pequeninos, os humilhados, os famintos, os descalços, os injustiçados. Faz-nos caminhar com coragem e sabedoria pra fazer acontecer à vontade de teu Deus e Senhor aqui na terra para então merecermos o céu. Protege com teu manto este Brasil, este chão que nos acolhe nas tribulações da vida e no descanso da morte. E quando esta hora chegar, que sejamos dignos de Te chamar de Mãe, como Teu filho Jesus.
Amamos você doce Senhora, a nossa Senhora da Conceição Aparecida, que veio, apareceu pra ficar aqui, com todos os brasileiros, mas também acolhe, com o mesmo amor, todos aqueles que essa terra, tão brasileira, sabe abraçar. Amém

(Rosabel De Chiaro)

Anúncios

Consagração ao Imaculado Coração de Maria

Imaculado Coração de Maria

Ó Rainha do Santíssimo Rosário, auxílio dos cristãos, refúgio do gênero humano, vencedora de todas as batalhas de Deus!

Ante vosso Trono nos prostramos suplicantes, seguros de impetrar misericórdia e de alcançar graça e oportuno auxílio e defesa nas presentes calamidades, não por nossos méritos, mas sim unicamente pela imensa bondade de vosso maternal Coração.

Nesta hora trágica da história humana, a Vós, a vosso Imaculado Coração, nos entregamos e nos consagramos, não apenas em união com a Santa Igreja, corpo místico de vosso Filho Jesus, que sofre e sangra em tantas partes e de tantos modos atribulada, mas sim também com todo o mundo dilacerado por atrozes discórdias, abrasado em um incêndio de ódio, vítima de suas próprias iniqüidades.

Que vos comovam tantas ruínas materiais e morais, tantas dores, tantas angústias de pais e mães, de esposos, de irmãos, de crianças inocentes;

Tantas vidas cortadas em flor, tantos corpos despedaçados na horrenda carnificina, tantas almas torturadas e agonizantes, tantas em perigo de perderem-se eternamente.

Vós, Oh! Mãe de misericórdia, consegui-nos de Deus a paz; e, ante tudo, as graças que podem converter-se em um momento os humanos corações, as graças que reparam, conciliam e asseguram a paz.

Rainha da paz, rogai por nós e dai ao mundo em guerra a paz por quem suspiram os povos, a paz na verdade, na justiça, na caridade de Cristo.

Dai a paz das armas e a paz das almas, para que na tranqüilidade da ordem se dilate o reino de Deus.
Concedei vossa proteção aos infiéis e a quantos jazem ainda nas sombras da morte; concedeis a paz e fazei que brilhe para eles o sol da verdade e possam repetir com nós ante o único Salvador do mundo: glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.

Dai a paz aos povos separados pelo erro ou a discórdia, especialmente a aqueles que vos professam singular devoção e nos quais não havia casa onde não se achasse honrada vossa venerada imagem (hoje quiçá oculta e retirada para melhores tempos), e fazei que retornem ao único redil de Cristo sob o único verdadeiro Pastor.

Obtende paz e liberdade completa para a Igreja Santa de Deus; contei o dilúvio inundante do neopaganismo, fomentai nos fiéis o amor à pureza, a prática da vida cristã e do zelo apostólico, a fim de que aumente em méritos e em número o povo dos que servem a Deus.

Finalmente, assim como foram consagrados ao Coração de vosso Filho Jesus a Igreja e todo o gênero humano, para que, postas nele todas as esperanças, fosse para eles sinal e prenda de vitória e de salvação;

De igual maneira, Oh! Mãe nossa e Rainha do Mundo, também nos consagramos para sempre a Vós, a vosso Imaculado Coração, para que vosso amor e patrocínio acelerem o triunfo do Reino de Deus, e todas as gentes, pacificadas entre si e com Deus, Vos proclamem bem-aventurada e entoem convosco, de um extremo a outro da terra, o eterno Magníficat de glória , de amor, de reconhecimento ao Coração de Jesus, no qual apenas se podem achar a Verdade, a Vida e a Paz.

Amém.

Consagração a Nossa Senhora, um caminho de santidade

Quem quer ser santo, mais que amar Nossa Senhora, deve devotar-lhe toda a sua vida.

sheila-jorge

Os verdadeiros devotos de Nossa Senhora devem amá-la não simplesmente com um amor humano, mas com amor teologal, amor caridade, por causa de Deus, de modo que, quando louvem Maria e contemplem suas virtudes, Deus seja amado e glorificado.

Mas, por que, afinal de contas, consagrar-se à Virgem Santíssima? É preciso lembrar que “consagração” é o nome curto dessa devoção, cujo nome completo é “consagração a Jesus Cristo, a Sabedoria encarnada, pelas mãos de Maria”. Ou seja, a entrega é feita a Nosso Senhor, por meio de Sua mãe. Não se faz a consagração “diretamente” a Jesus porque Ele mesmo, na Cruz, inaugurou a mediação maternal de Maria, quando disse a São João: “Eis a tua mãe”, e a Maria: “Mulher, eis o teu filho”. O Autor Sagrado escreve que “a partir daquela hora, o discípulo a acolheu no que era seu”, tomando-a intimamente para si (Jo 19, 27). Por isso, os cristãos se entregam de modo total a Maria, repetindo o que também foi o lema do pontificado de São João Paulo II: “Totus tuus ego sum, Maria, et omnia mea tua sunt – Sou todo teu, Maria, e tudo o que é meu pertence a ti”.

Ao longo da história da Igreja, no entanto, começaram a aparecer devotos críticos e escrupulosos, tachando os piedosos atos de amor a Nossa Senhora de “indiscretos” ou “exagerados”. Na França de São Luís de Montfort, os jansenistas chegaram a distribuir vários panfletos contendo “advertências” contra os “excessos” de amor à Mãe de Deus.

Para se defenderem, esses críticos dizem que o próprio Jesus tratava com desprezo Sua mãe [1]. Nada mais falso. Se é verdade que Nosso Senhor “quis humilhá-la e escondê-la durante a vida para favorecer a sua humildade” [2], como testemunham as próprias Escrituras (cf. Mt 19, 16-19), também é certo que, após ascender aos céus e glorificar Consigo Sua mãe, passou a cumprir-se a profecia do Magnificat de que “doravante, todas as gerações hão de chamar-me bem-aventurada” (Lc 1, 48), e também a visão do Apocalipse de São João: “Então apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida com o sol, tendo a lua debaixo dos pés e, sobre a cabeça, uma coroa de doze estrelas” (Ap 12, 1).

Jesus escondeu a Sua mãe nesta terra para elevá-la à glória no Céu. Assim fez Consigo e também assim fará conosco: quem, à imitação de Maria, for “cheio de graça” nesta vida, tanto mais glória possuirá no Céu.

Embora esteja de corpo e alma no Céu, Maria permanece na vida dos cristãos, por meio de uma presença virtual e de uma presença afetiva. A primeira consiste em uma presença “ativa”. O termo “virtual” não tem nada que ver com computação gráfica. Em teologia, significa força, ação, atividade. Pelo maravilhoso mistério da comunhão dos santos, a Virgem Santíssima, mesmo estando gloriosa no Céu, está bem perto de nós. Quanto à sua presença afetiva, diz respeito ao amor que ela nos devota e ao qual nós devemos corresponder, por amor a Deus. De fato, quando se fala de santidade, fala-se de um crescimento generoso no amor, como explica acertadamente Santo Tomás de Aquino [3].

Por fim, importa falar sobre a obrigação da consagração a Nossa Senhora. Se, por um lado, ela não é necessária para quem quer salvar-se, é-o para quem quer chegar a ser perfeito. Quem deseja simplesmente salvar-se, pode contentar-se simplesmente com cumprir os Mandamentos, mas quem quer ser santo, além disso, devota-se inteiramente a Jesus, amando-O por meio de Sua santíssima mãe.

Referências

  1. Cf. RC 107: Pode ter Jesus desprezado a sua mãe?

  2. São Luís de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, 5

  3. Suma Teológica, II-II, q. 24, a. 9

(Fonte)

Oração do Rosário

papa-francisco-rosario

“Ao finalizar o mês de outubro, desejo recomendar a oração do Rosário”, disse o Papa Francisco.

“Que esta simples oração mariana indique a vocês, queridos jovens, o caminho para interpretar a vontade de Deus em suas vidas.
Amem esta oração, queridos enfermos, porque consola a mente e o coração.
Que se torne para vocês, queridos recém-casados, um momento privilegiado de intimidade espiritual, em sua nova família”, assinalou.

“Irmãos e irmãs, está terminando o mês de outubro, dedicado à oração do Rosário, que é uma síntese da Divina Misericórdia. Nos mistérios do Rosário, contemplamos com Maria a vida de Jesus, que irradia a misericórdia do Pai. Alegremo-nos em seu amor e perdão, acolhamos os estrangeiros e necessitados, vivamos cada dia o seu Evangelho. Louvado seja Nosso Jesus Cristo”.

(Fonte)

Aprenda a rezar o Rosário clicando na imagem abaixo:

terco-rosario

 

Ano Mariano

No contexto das Comemorações dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, no rio Paraíba do Sul, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) instituiu o Ano Nacional Mariano.

Leia a mensagem da presidência da entidade para a ocasião:

Mensagem à Igreja Católica no Brasil

ANO NACIONAL MARIANO

Na imagem de Nossa Senhora Aparecida “há algo de perene para se aprender”. 

“Deus ofereceu ao Brasil a sua própria Mãe” (Papa Francisco)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, em comemoração aos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, nas águas do rio Paraíba do Sul, instituiu o Ano Nacional Mariano, a iniciar-se aos 12 de outubro de 2016, concluindo-se aos 11 de outubro de 2017, para celebrar, fazer memória e agradecer.

Como no episódio da pesca milagrosa narrada pelos Evangelhos, também os nossos pescadores passaram pela experiência do insucesso. Mas, também eles, perseverando em seu trabalho, receberam um dom muito maior do que poderiam esperar: “Deus ofereceu ao Brasil a sua própria Mãe”. Tendo acolhido o sinal que Deus lhes tinha dado, os pescadores tornam-se missionários, partilhando com os vizinhos a graça recebida. Trata-se de uma lição sobre a missão da Igreja no mundo: “O resultado do trabalho pastoral não se assenta na riqueza dos recursos, mas na criatividade do amor” (Papa Francisco).

A celebração dos 300 anos é uma grande ação de graças. Todas as dioceses do Brasil, desde 2014, se preparam, recebendo a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, que percorre cidades e periferias, lembrando aos pobres e abandonados que eles são os prediletos do coração misericordioso de Deus.

O Ano Mariano vai, certamente, fazer crescer ainda mais o fervor desta devoção e da alegria em fazer tudo o que Ele disser (cf. Jo 2,5). Todas as famílias e comunidades são convidadas a participar intensamente desse Ano Mariano.

A companhia e a proteção maternal de Nossa Senhora Aparecida nos ajude a progredir como discípulas e discípulos, missionárias e missionários de Cristo!

Dom Sergio da Rocha                                        Dom Murilo S. R. Krieger

Arcebispo de Brasília-DF                                     Arcebispo de S. Salvador da Bahia-BA

Presidente da CNBB                                                  Vice-Presidente da CNBB

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília-DF

Secretário-Geral da CNBB

 

(Fonte: CNBB)

Leia também:

Carta Pastoral do Cardeal Orani João Tempesta sobre o Ano Mariano

Visitação de Maria à sua prima Isabel – Meditação

(Mons. João Clá Dias, EP)

Visitação-de-Nossa-Senhora

Vamos colocar nossa imaginação neste caminho percorrido por Maria a pé, desde de Nazaré até os montes onde habitavam São Zacarias e Santa Isabel e com os olhos fixos nessa viagem vamos nos voltar para pedir a nossa Mãe Celeste para que Ela nos assista com graças especiais, para repararmos o quanto Seu Imaculado Coração merece. Pois, por nossas simples forças, qualidades, capacidades, não temos méritos suficientes para fazer essa reparação dignamente. Mas se Ela nos emprestar o Seu próprio Coração Imaculado, aí sim, estaremos a altura de realiarmos esta reparação.

Oração Inicial

Oh! Maria Santíssima, medianeira de todas as graças, Vós que neste mistério do Rosário, ao visitar Vossa prima Santa Isabel, demonstrastes uma solicitude extraordinária, uma caridade, um desejo de fazer o bem ao próximo, fora do comum. Fostes sem tardança ao encontro de quem precisava de Vossa ajuda.

Pedimos que durante esta meditação, estejais ao nosso lado inspirando-nos, ajudando-nos, orientando-nos e incutindo-nos muita piedade, muito fervor e muita devoção a Vós. Rogamos que nos ensineis a cada passo, todas as lições que este mistério do Rosário dará a cada um de nós. Minha Mãe, assisti-nos como filhos, como filhas, inteiramente postos em Vossas mãos.

Ave Maria, …..

I – Maria nos convida a empreender um caminho …

Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas, a uma cidade de Judá. E entrou em casa de Zacarias, e saudou Isabel. (Lc 1, 39-40). Maria nos dá o exemplo de quanto nós devemos ser sensíveis, o quanto devemos ser flexíveis, o quanto devemos estar prontos para atender as inspirações que Deus põe em nossas almas.

Quantas e quantas vezes nós ao longo de nossa vida temos essas ou aquelas inspirações, temos esses ou aqueles toques interiores da graça, sentimos em nossa alma que devemos empreender um caminho ou então abandonar algo que nos prejudica, que nos leva a ofender a Deus. Quantas vezes sentimos a voz de consciência, ou a própria voz de Deus nos convidando a empreender um caminho…

Nossa Senhora foi visitar Santa Isabel, não porque pudesse haver qualquer resquício de dúvida, sobre o que tinha dito o Anjo, ou então que este a tivesse enganado. Jamais isto teria acontecido. Ela foi visitar a prima porque recebeu uma inspiração de fazê-lo, foi tocada por uma graça, recebendo assim, um impulso em seu interior e obedecendo a este prontamente. Ela põe-se a campo, porque lhe veio ao espírito uma preocupação:

‘Minha prima está para dar a luz, não contou nada a ninguém, não haverá quem a ajude, ela não tem filhos, está sozinha, eu preciso ajudá-la. Maria não pensou em si; bateu-se em direção à cidade em que estava Santa Isabel, que era distante de três a quatro dias de caminhada. Certamente acompanhou alguma caravana que por lá passava, pois, viajar sozinho naquela época, era um risco enorme.

Entretanto, pôs-se em direção para onde? O Evangelho diz:”foi com pressa às montanhas…”

Ela não fez um plano de viagem…, bem quando eu me sentir um pouco melhor…, quem sabe, num dia mais propício… Não, “foi com pressa…”. Quando se trata de fazer o bem, é assim que se age. Quando alguém está com alguma necessidade, Ela atende às pressas; e foi por isso que se pôs a caminhar imediatamente. Maria vive dentro da contemplação de Deus, que se encontra no mais intimo de seu coração. Nosso Senhor Jesus Cristo estava sendo formado enquanto homem em seu claustro virginal. Por isso, quanta razão tinha para ficar em casa contemplando este Deus que estava sendo gerado em seu interior. Entretanto, recebida a notícia, não titubeou, põe-se a caminho.

1 – ¨Naqueles dias, levantando-se Maria, foi com pressa às montanhas…¨ (Lc 1, 39)

De fato a cidade de Santa Isabel ficava em uma região montanhosa e a distância da cidade de Nazaré até lá, eram de três a quatro dias de caminhada. Era portanto uma viagem penosa e difícil, mas Maria está satisfeita, está alegre, e é esta alegria que a coloca em movimento e a faz com que abandone as comodidades e se ponha a caminhar.

Exemplo magnífico para nós, quando formos tocados por uma graça para seguir um determinado caminho, ou quando formos tocados por alguma inspiração de Deus e somos convidados a abandonar uma situação que nos é agradável, ou então quando é uma situação que nos leva ao pecado, sejamos rápidos, tenhamos pressa e imitemos a Nossa Senhora em sua predisposição em cumprir o dever.

Vamos então, neste primeiro ponto de nossa meditação pedir a graça de poder imitá-La:

Oração:

Oh! Mãe Santíssima, neste versículo do Evangelho que meditamos, vimos o quanto Vós sois para nós um exemplo. Vós, ó Mãe minha, vos pusestes a caminho com toda a diligência, sendo que, todas as comodidades Vos convidavam a ficar em casa, isso muito especialmente pelo fato de ser a Mãe de Deus e estar com o próprio Deus Nosso Senhor em seu interior. Vós podíeis perfeitamente ficar na segurança do lar, entretanto vos apressastes em ir ter com aquela que seria a mãe de São João Batista.

Minha Mãe, dai-me a graça de nunca ser lento em atender as inspirações de Deus, sobretudo, se bem que isto nunca se tenha dado convosco, mas dá-se muito freqüentemente conosco, especialmente quando algum pecado, alguma ocasião próxima, alguma relação de amizade nos afasta do bom caminho. Portanto, quando receber um toque de minha consciência, ou um toque da graça, ou mesmo uma inspiração obtida por Vós a fim de me ajudar, que eu obedeça prontamente à Vossa vontade.

II – O Convívio com os santos!

¨E aconteceu que, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo; e exclamou em alta voz, e disse: Bendita sois vós entra as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre…¨ (Lc 1, 41-42)

Eis aí o efeito da presença de Nossa Senhora, o efeito da devoção para com Ela. Mais ainda, São João Batista três meses antes de nascer já foi santificado por Maria.

É real que os santos no seu convívio santificam, é real que a proximidade com uma pessoa santa faz sempre bem as almas que não se fecham às graças das quais são eles veículo. A influência de um santo também é benéfica. Quando alguém tem possibilidade de se aproximar de uma alma santa, e nós temos vários casos ao longo da história, como por exemplo o de Santo Agostinho, que teve uma mãe santa e acabou por se santificar em parte por causa desta influência. E porque isso? Porque a santidade é contagiante, assim como o mal. Os dois extremos são contagiantes: o bem na sua santidade contagia e o mal na sua maldade e hediondez também contagia. Portanto aí está, Nossa Senhora não é somente santa, Ela é Santíssima e por isso nós não dizemos Santa Virgem, dizemos Santíssima Virgem.

Maria Santíssima chegando à casa de Santa Izabel saudou-a e qual foi o efeito produzido? Foi a santificação da criança que estava sendo gestada, São João Batista saltou no ventre materno. E não há somente isso; pelas palavras de Maria, Santa Isabel que era sua prima, no momento do cumprimento, logo que o timbre de sua voz penetrou em seus ouvidos, nesse momento o Espírito Santo tomou-a. O Divino Espírito Santo poderia perfeitamente tomar Santa Isabel sem o concurso de Nossa Senhora, Ele poderia santificar São João Batista sem a intervenção de Maria. Mas acontece que a simples presença d´Ela por ser Santíssima, como que ¨força¨ o Espírito Santo a agir.

Nossa Senhora é aquela que propicia a santificação, por isso, bom sinal de salvação eterna é ter verdadeira devoção a Maria Santíssima. Ter esta verdadeira devoção à Mãe de Deus, significa sinal de predestinação e devemos agradecer a Deus pelo fato de hoje estarmos aqui nesta igreja, na celebração deste Primeiro Sábado do mês no intuito de reparar o Sapiencial e Imaculado Coração de Maria, poder fazer a confissão, mesmo dentro da oitava, rezarmos o terço, como o fizemos ainda há pouco e recebermos a Eucaristia na Santa Missa que se seguirá. Tudo isso é dom de Deus, é privilégio, é como que um sinal de predestinação.

1 – Santa Isabel dá sinal de grande virtude!

Santa Isabel não teve inveja, mas pelo contrário, é reconhecedora dos benefícios que Deus fez a Maria. Ela, tomada pelo Espírito Santo, externa e exclama toda a admiração que tem por Nossa Senhora. Como é isso difícil de acontecer no gênero humano, infelizmente somos afeitos a comparações, vaidade, inveja, orgulho. É comum no nosso relacionamento social termo casos de pessoas que não elogiam, que não reconhecem as qualidades do próximo, pelo contrário, até diminuem essas qualidades nos outros. Não foi o que se passou com Santa Isabel, estando tomada pelo Espírito Santo, não vê o momento de externar tudo o que pensa a respeito daquela que seria a Mãe do Salvador, e não em voz baixa, porque a Escritura diz: “…exclamou em alta voz, e disse: Bendita és tu entra as mulheres, bendito é o fruto do seu ventre”.

Ou seja, reconheceu que Maria é bendita mais do que ela própria. Não nos esqueçamos que Maria é bem mais jovem que Isabel, esta era quase uma menina perto dela, e entretanto, sendo mais idosa, reconhece as maravilhas, reconhece os dons que Deus deu a Nossa Senhora.

Magnífico exemplo, reconhecer as qualidades dos outros, e isso não é só válido para o gênero feminino, mas também para os homens, devemos sempre reconhecer os valores do nosso próximo e este reconhecimento é uma obrigação moral.

Santa Isabel estava também para dar a luz, mas ela reconhece que aquele que está sendo gerado pela prima, é maior do que o seu próprio filho. Uma mãe reconhecer que o filho de uma outra é mais do que o seu filho, é sinal de grande virtude, mas é precisamente esse grau de virtude que devemos almejar, que devemos desejar, a ponto de reconhecer aqueles que são mais do que nós.

Vamos pedir graças sobre graças para conservar em nós a idéia de uma inteira disposição para fazer bem ao próximo, e também a idéia de ter sempre em mãos a nossa alma, nunca cedendo a nenhuma paixão que nos leve ao pecado.

Oração Final:

Oh! Mãe Santíssima, neste Primeiro Sábado de novembro, aqui estamos nesta igreja (Catedral da Sé) para reparar ao Vosso Sapiencial e Imaculado Coração, imploramos que nossos corações sejam pervadidos da graça de zelo apostólico, de amor ao próximo, do desejo de fazer o bem e de controlar e reter todas as nossas paixões, e jamais ceder ao pecado. Não queremos, ó Mãe, ser mais um daqueles que Vos ofende nos dias de hoje com tanta maldade e fazendo de modo desenfreado tudo aquilo que não é conforme a lei de Deus. Queremos, isso sim, ser santos, queremos trilhar o caminho da perfeição.

Dai-nos, ó Mãe, nós vo-lo pedimos, a graça de nunca abandonar este caminho. Mas se por desgraça, viermos a Vos ofender, daí-nos a graça de um arrependimento perfeito para assim retornarmos ao caminho do bem abandonado.

Assim seja!

Em particular hoje, com a liturgia, detemo-nos a meditar sobre o mistério da Visitação da Virgem a Santa Isabel. Maria, trazendo no seio Jesus recém-concebido, vai visitar a prima Isabel. É uma jovem, mas não tem medo, porque Deus está com Ela, dentro d’Ela. De certo modo, podemos dizer que a sua viagem foi a primeira “procissão eucarística” da História.

Maria, Tabernáculo vivo de Deus que se fez carne, é a Arca da Aliança, em que o Senhor visitou e redimiu o seu povo. A presença de Jesus enche-A do Espírito Santo. Quando entra na casa de Isabel, a sua saudação é transbordante de graça: João estremece no seio da mãe, como se tivesse sentido a vinda d’Aquele que no futuro ele deverá anunciar a Israel. Os filhos exultam, as mães regozijam-se. Este encontro, impregnado da alegria do Espírito, encontra a sua expressão no cântico do Magnificat.

Não é, porventura, também esta a alegria da Igreja, que acolhe incessantemente Cristo na sagrada Eucaristia e O leva ao mundo com o testemunho da caridade concreta, imbuída de fé e de esperança? (Bento XVI, Saudação no final do Rosário recitado na Gruta de Lourdes, nos jardins do Vaticano, 31/5/2005)

(Fonte)

Prece a Nossa Senhora
(Música Padre Reginaldo Manzotti)

Oh Santa Maria vigiai-me, com os olhos de mãe
Que nossas famílias recebam a sua proteção
Cobrir com seu manto sagrado, oh mãe a nós vem
Que estejamos na sua graça pra sempre amém

Oh mãe vem ouvir nossas preces e nos amparai
Livrai mãe querida e afaste de todo o mal
Mostrai o caminho àqueles que não sabem onde ir
Oh mãe vem cuidar do futuro do nosso país

Virgem imaculada, Senhora da esperança
Clareia nossa estrada, olhai nossas crianças
Salvai o povo seu, Nossa senhora vem
Maria mãe de Deus e nossa mãe também

Oh Maria que alegria ver nossas famílias
Unidas pra te louvar
Oh Maria que alegria ter sua companhia
E com você caminhar.