Pelo dia dos teus anos

(Dom Marcos Barbosa, OSB)

Salve, Rainha, nós te saudamos pelo dia dos teus anos, a ti, que és a única a fazê-lo eternamente, pois talvez nem passaste pela morte, ou logo a venceste, retirada do sepulcro pelos anjos impacientes. Nós filhos de Eva, que temos a certeza de morrer um dia, te saudamos e convocamos, a cada instante, para a hora, o momento de nossa morte. Queremos-te agora, mas também naquela hora decisiva. Tu, e mais ninguém em teu lugar. Porque só tu podes tudo. Poderás obter que o teu Filho prepare diretamente o nosso coração, se já os outros sacerdotes não lhe tiverem acesso, pela distância ou enevoado véu que nos envolva. Tu estarás presente. Tu és a mais presente, e não apenas a mais bendita entre as mulheres.

Já o anjo te achou presente. Tu respondeste: “ Eis a escrava , que a sua vontade se faça… E logo já estavas presente junto à velha Isabel, que ia precisar de ti como criada, como escrava, quando te saudava, ao chegares: “ Bendita é o fruto do teu ventre!” E, depois, já estavas de novo presente junto àquele que te tomara por esposa. Ele é que pensou em deixar-te. Seja porque duvidasse da tua fidelidade, como pretendem alguns, seja porque pressentisse o que em ti se passava e não ousasse permanecer à sombra de um Deus.

E tu estavas presente em Belém. E nem podia ser de outro modo. Pois eras tu que levavas em ti o que devia nascer entre as palhas. Podia faltar a estrela, faltassem os anjos, o boi, o burro, e até mesmo José – só tu não podias faltar, jardim eternamente fechado, fonte lacrada, jorrando no entanto a salvação do mundo. Tu estavas presente. E que presença a tua naquela noite em que não disseste palavra, como se as palavras te distraíssem da contemplação absoluta! Guardavas, como escreve São Lucas, todas as coisas no coração. Guardavas, guardavas tudo, como um cofre imenso, arca de duas alianças, que vai recolhendo rápidos tesouros. Guardaste os anjos, guardaste a manjedoura, guardaste os panos que o envolviam, guardaste os pastores, como alguém recolhe numa grande caixa, no dia dos Reis, o presépio de cada ano … Só por São Lucas sabemos a existência de tudo, e foi ele teu confidente.

Tu estavas sempre presente em Nazaré, com a mesa posta para teu marido e teu Filho. Eles é que nem sempre estavam. Aos doze anos o menino, já quase um mocinho, desapareceu por três dias: estaria cuidando dos negócios do Pai do céu, e tu nem compreendeste. Depois foi José que partiu para sempre, assistido por ti, pois era preciso que santificasses também a viuvez, como santificaras a orfandade, a virgindade, o matrimônio e a própria maternidade. Os outros é que te deixavam, não tu.

Em cada momento importante o Evangelho usa a teu respeito o verbo estar. “ Houve um casamento em Caná da Galileia, e a mãe de Jesus estava lá.” E, então já compreendias, antecipavas a hora do teu Filho , exigias o vinho, precursor das bodas de sangue. E, agora, ele sempre ausente, cercado, devorado pela multidão faminta de pães e de prodígios, talvez de amor. E nem protestas quando lhe vão dizer: “Tua mãe e teus irmãos estão aí…”, e ele responde: “Quem é minha mãe e meus irmãos! Todo aquele que cumpre a minha palavra”.

Mas houve um momento em que também O deixaste. Pois a tua presença O impediria de sofrer, no Horto, tudo o que era preciso para pagar os pecados do mundo, do primeiro ao ultimo. Tu, a sem pecado, serias um oásis, gota de mel no amargo cálice. Mas, depois que ele sofrera o máximo, o infinito, já estás também no calvário, Stabat Mater, Não Lhe faltaste, Santa Maria, Mãe de Deus, na hora de Sua morte. Não faltarás também na hora da nossa. Pois, na pessoa de João, nos deu a ti como filhos.

Não estavas, com as outras Marias, no sepulcro do Ressuscitado; pois, adivinhando a sua vontade, passaste a cuidar da sua Igreja: as Escrituras te apontam no Cenáculo, Rainha dos apóstolos. Estarás, daí por diante, com todos nós. Discreta, mas pronta a intervir ao menor apelo, ou mesmo antes, ou mesmo sem ele.

Salve, Rainha, salve, estrela do mar! Rainha das virgens, das esposas e das mães; e das donas-de-casa, em Nazaré; e dos viajantes, em Belém; e das festas, em Caná; e dos poetas ao compor o Magnificat; e das viúvas, ao assistir a morte de José; e das dores, ao pé da cruz; e dos anjos, que te saúdam e trazem recados. Rainha de todos, mas escrava nossa, servidora nossa. Sempre atenta, sempre solicita, sempre a nos preparar o mais belo presente, mesmo quando, como hoje , o aniversário é teu!

(Natividade de Nossa Senhora – dia 8 de setembro)

Anúncios

E Maria vem até nós

(Vandeia Ramos)

Hoje a Igreja do Brasil celebra a solenidade da Assunção de Nossa Senhora ao céu. Da quarta-feira, dia 15 de agosto, passa para o primeiro domingo depois.
A importância de Maria é indicada pelo então cardeal Ratzinger e hoje nosso amado Papa Emérito Bento XVI, no texto O signo da Mulher, quando diz que é preciso fazer uma Teologia da Mulher, ou seja, ler a Sagrada Escritura a partir da presença de Maria de Gênesis ao Apocalipse. O primeiro casal homem e mulher, depois da queda, é substituído pela Mãe e Filho de Gn 3, 15. Da descendência da Mulher sai o Filho, que vem ao mundo para sermos mais do que perdoados em nossos pecados. Ele vem para fazer-nos filhos.
A todo patriarca do Antigo Testamento temos uma matriarca. As mulheres são figuras do que Maria vai nos apresentar quando chegar a plenitude dos tempos. É ela que, quando o céu se abre em Ap 11, 19, é nos apresentada por Deus como a Arca do Testamento. Rainha do céu e da terra, ela é vestida de sol e coroada com doze estrelas. Maria é Rainha porque é Mãe do Rei, como em 1Rs 2, 19. Ela não é o Sol. Sua fidelidade a Deus a faz brilhar com Sua glória. E traz uma coroa não de espinhos. O Filho tem algo especial para Sua Mãe: Rainha do Universo, a filha de Sião brilha com as 12 tribos de Israel, no Novo Povo, com os 12 apóstolos.
A que vence o Dragão pela sua humildade e obediência, é cuidada por Deus e elevada ao céu para que se complete a história da salvação. Sentada no lugar que lhe é preparado, aos pés de Maria podemos fazer o que nos é reservado: em nossas batalhas da vida, pisarmos na cabeça da serpente. Ajoelhados ao calcanhar de Nossa Senhora, armados com o terço, seguimos os passos de Jesus, na maternidade de Maria.
Logo depois que Jesus ressuscita, como bom Filho, eleva Sua Mãe amada para perto de Si.
É muito bonito o cuidado que Nossa Senhora tem conosco. Ela não caminha acima de nós, mas segue na frente, indicando-nos o Caminho do Céu. Ao longo da história, ela tem vindo inúmeras vezes à humanidade para nos lembrar: “Fazei o que Ele vos disser” (Jo 2, 5).
Ela não nos espera, acomodada no céu. Ela se apressa em vir ao nosso encontro, pois não quer deixar nenhum de nós de fora. Ela entra na nossa casa e nos saúda, a cada um de nós. E ensina-nos seu canto de louvor a Deus, para que possamos cantar juntos com ela, agora e por toda a eternidade:
A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador. Porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, porque o Todo Poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, e sua misericórdia se estende de geração em geração, a todos que o respeitam. Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração, derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. Encheu de bens os famintos e despediu os ricos de mãos vazias. Socorreu a Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre.” (Lc 1, 46-55)

Um momento com Nossa Senhora da Conceição Aparecida

0ea53-aparecida

Mãe, hoje te chamamos de Aparecida, a Nossa Senhora que apareceu diante de nós. Calada, nos fizeste encontrar-te em meio ao murmúrio das águas. Do céu escutaste o clamor dos que de ti precisavam.
Buscavam peixes… Encontraram a Rainha. Buscavam a coragem… Encontraram a esperança. Buscavam trabalho… Encontraram a fé. E nada se perdeu, nem os peixes, nem a coragem, nem a fé… “Eis aí a tua Mãe”.Assim continuas a ser nossa Mãe, nossa protetora, nossa companheira nas pescarias da nossa vida. Tua cor lembra o amor sem fronteiras, sem preconceitos, sem medidas. Amor que leva à igualdade, que clama fraternidade, que propõe liberdade. Foste colhida e acolhida como uma peregrina que chega, uma estrangeira de águas distantes, mas escolhida e querida como Senhora da nossa casa, da nossa pátria, da nossa vida.
Acolhe agora, em teu Sagrado Coração as súplicas do teu povo brasileiro. Ave cheia de Graça espalha por este Brasil imenso a graça da tua coragem, a candura da tua fé. Enternece os corações endurecidos pela ganância, distorcidos pela mentira, embrutecidos pelo egoísmo; vê Mãe, que deles depende o alívio de tantas misérias e dores.
E porque és bendita entre todas as mulheres, te confiamos também nossos próprios filhos. Ajuda-nos a resgatar os que se perderam, a libertar os confusos, a curar os feridos e adoecidos pelas maldades do mundo. Acolhe e abraça nossas crianças que ora colocamos a teus pés. Ajuda-nos a ensinar-lhes o que de ti e de teu filho Jesus temos experimentado. A misericórdia que acolhe, a ternura que acalenta, o amor que perdoa, que vai ao encontro… Tem-nos faltado a serenidade que escuta, a espera paciente, a confiança no irmão, a sabedoria da escolha… Há tanto que lutar pelas coisas da vida, que esquecemos o valor da própria vida… Da nossa, da Tua e a do Teu filho, Jesus… “Fazei o que Ele vos disser”.
És a Senhora do Silêncio, pronta a ouvir, perceber e sentir como nós nos sentimos, como e onde estamos… Tão grande é teu amor, que sempre te aproximas preenchendo nosso espaço, ocupando nossos corações, iluminando nossos caminhos, ensinando-nos a viver.
Nossa Senhora da Conceição Aparecida, espalha teu suave perfume para renovar em nós a esperança de vermos socorridos e libertados os pequeninos, os humilhados, os famintos, os descalços, os injustiçados. Faz-nos caminhar com coragem e sabedoria pra fazer acontecer à vontade de teu Deus e Senhor aqui na terra para então merecermos o céu. Protege com teu manto este Brasil, este chão que nos acolhe nas tribulações da vida e no descanso da morte. E quando esta hora chegar, que sejamos dignos de Te chamar de Mãe, como Teu filho Jesus.
Amamos você doce Senhora, a nossa Senhora da Conceição Aparecida, que veio, apareceu pra ficar aqui, com todos os brasileiros, mas também acolhe, com o mesmo amor, todos aqueles que essa terra, tão brasileira, sabe abraçar. Amém

(Rosabel De Chiaro)

Consagração ao Imaculado Coração de Maria

Imaculado Coração de Maria

Ó Rainha do Santíssimo Rosário, auxílio dos cristãos, refúgio do gênero humano, vencedora de todas as batalhas de Deus!

Ante vosso Trono nos prostramos suplicantes, seguros de impetrar misericórdia e de alcançar graça e oportuno auxílio e defesa nas presentes calamidades, não por nossos méritos, mas sim unicamente pela imensa bondade de vosso maternal Coração.

Nesta hora trágica da história humana, a Vós, a vosso Imaculado Coração, nos entregamos e nos consagramos, não apenas em união com a Santa Igreja, corpo místico de vosso Filho Jesus, que sofre e sangra em tantas partes e de tantos modos atribulada, mas sim também com todo o mundo dilacerado por atrozes discórdias, abrasado em um incêndio de ódio, vítima de suas próprias iniqüidades.

Que vos comovam tantas ruínas materiais e morais, tantas dores, tantas angústias de pais e mães, de esposos, de irmãos, de crianças inocentes;

Tantas vidas cortadas em flor, tantos corpos despedaçados na horrenda carnificina, tantas almas torturadas e agonizantes, tantas em perigo de perderem-se eternamente.

Vós, Oh! Mãe de misericórdia, consegui-nos de Deus a paz; e, ante tudo, as graças que podem converter-se em um momento os humanos corações, as graças que reparam, conciliam e asseguram a paz.

Rainha da paz, rogai por nós e dai ao mundo em guerra a paz por quem suspiram os povos, a paz na verdade, na justiça, na caridade de Cristo.

Dai a paz das armas e a paz das almas, para que na tranqüilidade da ordem se dilate o reino de Deus.
Concedei vossa proteção aos infiéis e a quantos jazem ainda nas sombras da morte; concedeis a paz e fazei que brilhe para eles o sol da verdade e possam repetir com nós ante o único Salvador do mundo: glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.

Dai a paz aos povos separados pelo erro ou a discórdia, especialmente a aqueles que vos professam singular devoção e nos quais não havia casa onde não se achasse honrada vossa venerada imagem (hoje quiçá oculta e retirada para melhores tempos), e fazei que retornem ao único redil de Cristo sob o único verdadeiro Pastor.

Obtende paz e liberdade completa para a Igreja Santa de Deus; contei o dilúvio inundante do neopaganismo, fomentai nos fiéis o amor à pureza, a prática da vida cristã e do zelo apostólico, a fim de que aumente em méritos e em número o povo dos que servem a Deus.

Finalmente, assim como foram consagrados ao Coração de vosso Filho Jesus a Igreja e todo o gênero humano, para que, postas nele todas as esperanças, fosse para eles sinal e prenda de vitória e de salvação;

De igual maneira, Oh! Mãe nossa e Rainha do Mundo, também nos consagramos para sempre a Vós, a vosso Imaculado Coração, para que vosso amor e patrocínio acelerem o triunfo do Reino de Deus, e todas as gentes, pacificadas entre si e com Deus, Vos proclamem bem-aventurada e entoem convosco, de um extremo a outro da terra, o eterno Magníficat de glória , de amor, de reconhecimento ao Coração de Jesus, no qual apenas se podem achar a Verdade, a Vida e a Paz.

Amém.

Consagração a Nossa Senhora, um caminho de santidade

Quem quer ser santo, mais que amar Nossa Senhora, deve devotar-lhe toda a sua vida.

sheila-jorge

Os verdadeiros devotos de Nossa Senhora devem amá-la não simplesmente com um amor humano, mas com amor teologal, amor caridade, por causa de Deus, de modo que, quando louvem Maria e contemplem suas virtudes, Deus seja amado e glorificado.

Mas, por que, afinal de contas, consagrar-se à Virgem Santíssima? É preciso lembrar que “consagração” é o nome curto dessa devoção, cujo nome completo é “consagração a Jesus Cristo, a Sabedoria encarnada, pelas mãos de Maria”. Ou seja, a entrega é feita a Nosso Senhor, por meio de Sua mãe. Não se faz a consagração “diretamente” a Jesus porque Ele mesmo, na Cruz, inaugurou a mediação maternal de Maria, quando disse a São João: “Eis a tua mãe”, e a Maria: “Mulher, eis o teu filho”. O Autor Sagrado escreve que “a partir daquela hora, o discípulo a acolheu no que era seu”, tomando-a intimamente para si (Jo 19, 27). Por isso, os cristãos se entregam de modo total a Maria, repetindo o que também foi o lema do pontificado de São João Paulo II: “Totus tuus ego sum, Maria, et omnia mea tua sunt – Sou todo teu, Maria, e tudo o que é meu pertence a ti”.

Ao longo da história da Igreja, no entanto, começaram a aparecer devotos críticos e escrupulosos, tachando os piedosos atos de amor a Nossa Senhora de “indiscretos” ou “exagerados”. Na França de São Luís de Montfort, os jansenistas chegaram a distribuir vários panfletos contendo “advertências” contra os “excessos” de amor à Mãe de Deus.

Para se defenderem, esses críticos dizem que o próprio Jesus tratava com desprezo Sua mãe [1]. Nada mais falso. Se é verdade que Nosso Senhor “quis humilhá-la e escondê-la durante a vida para favorecer a sua humildade” [2], como testemunham as próprias Escrituras (cf. Mt 19, 16-19), também é certo que, após ascender aos céus e glorificar Consigo Sua mãe, passou a cumprir-se a profecia do Magnificat de que “doravante, todas as gerações hão de chamar-me bem-aventurada” (Lc 1, 48), e também a visão do Apocalipse de São João: “Então apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida com o sol, tendo a lua debaixo dos pés e, sobre a cabeça, uma coroa de doze estrelas” (Ap 12, 1).

Jesus escondeu a Sua mãe nesta terra para elevá-la à glória no Céu. Assim fez Consigo e também assim fará conosco: quem, à imitação de Maria, for “cheio de graça” nesta vida, tanto mais glória possuirá no Céu.

Embora esteja de corpo e alma no Céu, Maria permanece na vida dos cristãos, por meio de uma presença virtual e de uma presença afetiva. A primeira consiste em uma presença “ativa”. O termo “virtual” não tem nada que ver com computação gráfica. Em teologia, significa força, ação, atividade. Pelo maravilhoso mistério da comunhão dos santos, a Virgem Santíssima, mesmo estando gloriosa no Céu, está bem perto de nós. Quanto à sua presença afetiva, diz respeito ao amor que ela nos devota e ao qual nós devemos corresponder, por amor a Deus. De fato, quando se fala de santidade, fala-se de um crescimento generoso no amor, como explica acertadamente Santo Tomás de Aquino [3].

Por fim, importa falar sobre a obrigação da consagração a Nossa Senhora. Se, por um lado, ela não é necessária para quem quer salvar-se, é-o para quem quer chegar a ser perfeito. Quem deseja simplesmente salvar-se, pode contentar-se simplesmente com cumprir os Mandamentos, mas quem quer ser santo, além disso, devota-se inteiramente a Jesus, amando-O por meio de Sua santíssima mãe.

Referências

  1. Cf. RC 107: Pode ter Jesus desprezado a sua mãe?

  2. São Luís de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, 5

  3. Suma Teológica, II-II, q. 24, a. 9

(Fonte)

Oração do Rosário

papa-francisco-rosario

“Ao finalizar o mês de outubro, desejo recomendar a oração do Rosário”, disse o Papa Francisco.

“Que esta simples oração mariana indique a vocês, queridos jovens, o caminho para interpretar a vontade de Deus em suas vidas.
Amem esta oração, queridos enfermos, porque consola a mente e o coração.
Que se torne para vocês, queridos recém-casados, um momento privilegiado de intimidade espiritual, em sua nova família”, assinalou.

“Irmãos e irmãs, está terminando o mês de outubro, dedicado à oração do Rosário, que é uma síntese da Divina Misericórdia. Nos mistérios do Rosário, contemplamos com Maria a vida de Jesus, que irradia a misericórdia do Pai. Alegremo-nos em seu amor e perdão, acolhamos os estrangeiros e necessitados, vivamos cada dia o seu Evangelho. Louvado seja Nosso Jesus Cristo”.

(Fonte)

Aprenda a rezar o Rosário clicando na imagem abaixo:

terco-rosario