O Decálogo nas Sagradas Escrituras

Ensina o Catecismo da Igreja Católica:

2056 – A palavra “Decálogo” significa literalmente “dez palavras” (Ex 34,28; Dt 4,13; 10,4). Deus revelou essas “dez palavras” a seu povo no monte sagrado. Ele as escreveu “com seu dedo” (Ex 31,18; Dt 5,22), à diferença de outros preceitos escritos por Moisés. São palavras de Deus de modo eminente. Foram transmitidas no livro do Êxodo e no do Deuteronômio. Desde o Antigo Testamento os livros sagrados se referem às “dez palavras”. Mas é em Jesus Cristo, na Nova Aliança, que será revelado seu sentido pleno.

2057 – O Decálogo deve ser entendido em primeiro lugar no contexto do êxodo, que é o grande acontecimento libertador de Deus no centro da Antiga Aliança. Formulados como preceitos negativos, como proibições, ou como mandamentos positivos (como: “Honra teu pai e tua mãe”), as “dez palavras” indicam as condições de uma vida liberta da escravidão do pecado. O Decálogo é um caminho de vida:

“Se amares teu Deus, se andares em seus caminhos, se observares seus mandamentos, suas leis e seus costumes, viverás e te multiplicarás” (Dt 30,16).

Esta força libertadora do Decálogo aparece, por exemplo, no mandamento sobre o descanso do Sábado, destinado igualmente aos estrangeiros e aos escravos:

“Lembrai-vos que fostes escravos numa terra estrangeira. O Senhor vosso Deus vos fez sair de lá com mão forte e braço estendido” (Dt 5,15).

2058 – As “dez palavras” resumem e proclamam a lei de Deus: “Tais foram as palavras que, em alta voz, o Senhor dirigiu a toda a vossa assembléia no monte, do meio do fogo, em meio a trevas, nuvens e escuridão. Sem nada acrescentar, escreveu-as sobre duas tábuas de pedra e as entregou a mim” (Dt 5,22). Eis  por que estas duas tábuas são chamadas “O Testemunho” (Ex 25,16). Pois contêm as cláusulas da aliança entre Deus e seu povo. Essas “tábuas do testemunho” (Ex 31,18; 32,15; 34,19) devem ser colocadas “na arca” (Ex 25,16; 40,1-2).

2059 – As “dez palavras” são pronunciadas por Deus no contexto de uma teofania (“Sobre a montanha, no meio do fogo, o senhor vos falou face a face”: Dt 5,4). Pertencem à revelação que Deus faz de si mesmo e da sua glória. O dom dos mandamentos é dom do próprio Deus e de sua santa vontade. Ao dar a conhecer as suas vontades, Deus se revela a seu povo.

2060 – O dom dos mandamentos e da Lei faz parte da Aliança selada por Deus com os seus. Segundo o livro do Êxodo, a revelação das “dez palavras” é dada entre a proposta da Aliança, e sua conclusão depois que o povo se comprometeu a “fazer” tudo o que o Senhor dissera, e a “obedecer” (Ex 24,7). O Decálogo sempre é transmitido depois de se lembrar a Aliança (“O Senhor nosso Deus concluiu conosco uma aliança no Horeb”: Dt 5,2).

2061 – Os mandamentos recebem seu pleno significado no contexto da Aliança. Segundo a Escritura, o agir moral do homem adquire todo o seu sentido na Aliança e por ela. A primeira das “dez palavras” lembra o amor primeiro de Deus por seu povo:

Tendo o homem, por castigo do pecado, decaído do paraíso da liberdade para a escravidão deste mundo, as primeiras palavras do Decálogo, voz primeira dos divinos mandamentos, aludem à liberdade: “Eu sou o Senhor teu Deus, que lhe fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão” (Ex 20,2; Dt 5,6).

2062 – Os mandamentos propriamente ditos vêm em segundo lugar; exprimem as implicações da pertença a Deus, instituída pela Aliança. A existência moral é resposta à iniciativa amorosa do Senhor. É reconhecimento, submissão a Deus e culto de ação de graças. É cooperação com o plano que Deus persegue na história.

2063 – A Aliança é o diálogo entre Deus e o homem são ainda confirmados pelo fato de que todas as obrigações são enunciadas na primeira pessoa (“Eu sou o Senhor…”) e dirigidas a um outro sujeito (“tu…”). em todos os mandamentos de Deus, é um pronome pessoal singular que designa o destinatário. Deus dá a conhecer sua vontade a cada um em particular ao mesmo tempo que o faz ao povo inteiro:

O Senhor prescreveu o amor para com Deus e ensinou a justiça para com o próximo a fim de que o homem não fosse nem injusto nem indigno de Deus. Assim, pelo Decálogo, Deus preparou o homem para se tornar seu amigo e Ter um só coração para com o próximo… Da mesma maneira, as palavras do Decálogo, continuam válidas entre nós [cristãos]. Longe de serem abolidas, elas foram levadas à plenitude do próprio significado e desenvolvimento, pelo fato da vinda do Senhor na carne.

(Prof. Felipe Aquino)

OS DEZ MANDAMENTOS

Em Êxodo 20, 2-17
Em Deuteronômio 5, 6-21
Fórmula Catequética
Eu sou o Senhor teu Deus,
Que te tirei da terra do Egito,
dessa casa da escravidão.

Não terás outros deuses perante Mim.
Não farás de ti nenhuma imagem esculpida, nem figura que existe lá no alto do céu ou cá em baixo na terra ou nas águas debaixo da terra.
Não te prostrarás diante delas nem lhes prestarás culto porque eu, o Senhor teu Deus, sou um Deus cios: castigo a ofensa dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que Me ofendem; mas uso de misericórdia até à milésima geração com aqueles que Me amam e guardam os meus mandamentos.

Eu sou o Senhor teu Deus, que te fiz tirei da terra do Egito dessa da casa da escravidão.

Não terás outros deuses diante de Mim…

 

 

 

Primeiro: Adorar a Deus e amá-Lo sobre todas as coisas.
Não invocarás em vão o Nome do Senhor teu Deus,
porque o Senhor não deixa sem castigo
quem invocar o seu Nome em vão.
Não invocarás em vão o Nome do Senhor teu Deus… Segundo: Não invocar o santo nome de Deus em vão.
Lembrar-te do dia do Sábado para o santificar.
Durante seis dias trabalharás e farás todos os trabalhos.
Mas o sétimo dia é sábado do Senhor teu Deus.
Não farás nele nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho ou tua filha, nem o teu servo nem a tua serva,
nem o teu gado, nem o estrangeiro que vive em tua cidade.
Porque em seis dias o Senhor fez o céu e a terra,
o mar e tudo o que eles contêm: mas ao sétimo diz descansou.
Por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o consagrou.
Guarda o dia do sábado para o santificar Terceiro: Santificar os domingos e festas de guarda.
Honra pai mãe, a fim de prolongares os teus dias
na terra que o Senhor teu Deus te vai dar.
Honra teu pai e tua mãe… Quarto: Honrar pai e mãe (e os outros legítimos superiores).
Não matarás. Não matarás. Quinto: Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo).
Não cometerás adultério. Não cometerás adultério. Sexto: Guardar castidade nas palavras e nas obras.
Não roubarás. Não roubarás. Sétimo: Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo. Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo. Oitavo: Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo).
Não cobiçarás a casa do teu próximo.   Nono: Guardar castidade nos pensamentos e nos desejos.
Não desejarás a mulher do próximo, nem o seu servo nem a sua serva, o seu boi ou o seu jumento, nem nada que lhe pertença. Não desejarás a mulher do teu próximo;

Não cobiçarás … nada que pertença ao teu próximo.

Décimo: Não cobiçar as coisas alheias.

 

(Fonte)

Hoje guardamos os Dez Mandamentos assim:

01) Amar a Deus sobre todas as coisas.

02) Não tomar seu santo nome em vão.

03) Guardar domingos e festas de guarda.

04) Honrar pai e mãe.

05) Não matar.

06) Não pecar contra a castidade.

07) Não roubar.

08) Não levantar falso testemunho.

09) Não desejar a mulher do próximo.

10) Não cobiçar as coisas alheias.

Estes dez mandamentos resumem-se em dois que são:

 Amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a si mesmo.

Deus faz aliança com o Povo

DA ESCRAVIDÃO À LIBERDADE
Por volta de 1250 a.C., os hebreus estavam em plena escravidão no Egito (leiam Ex 5,6-9). Javé, o Deus de Abraão, ouviu o clamor desse povo e enviou Moisés para liderar a luta pela sua libertação (Ex 3,1-10).
Não foi fácil a saída. O Faraó não queria dar liberdade aos hebreus. Ao povo também custava muito acreditar em Moisés e enfrentar o Faraó (Ex 5,4-5; 6,10-12). Só depois de muita resistência os hebreus pegaram a estrada em busca da Terra Prometida.

ALIANÇA: CAMINHO DA LIBERTAÇÃO
Livres, os hebreus quiseram organizar sua nova vida. Esta não seria como no Egito, na opressão e desigualdade, mas sim de acordo com a vontade de Javé (Ex 19,1-8). Uma vontade muito exigente!
Deus quer vida e bem-estar para todos, não só para alguns privilegiados. A vontade de Deus é que o povo viva na justiça e na igualdade, sem violência e sem opressão.
O povo não queria mais viver sem a benção de Javé, o Deus libertador. Sabia que a vida sem Javé era pura escravidão! Antes de Javé chamar a liberdade, o povo hebreu vivia alienado. Com Javé assumia sua própria história. A Aliança nasceu da experiência de libertação.
“Estarei no meio de vocês e nunca mais os rejeitarei! Serei o Deus de vocês, e vocês serão o meu povo” (Lv 26,12)
Na Bíblia, Aliança é o acordo feito entre Javé e o povo hebreu. Deus se compromete a estar sempre no meio do povo. O povo se compromete a caminhar de acordo com a vontade de Deus.
Quando a Aliança é lembrada, Deus ganha o povo e o povo ganha a liberdade. Quando a aliança é esquecida, Deus perde o povo e o povo perde a liberdade. Mas nunca perde a Deus, pois Ele se dá gratuitamente e sempre.

LEI: CHAVE DA LIBERTAÇÃO
Freqüentemente vemos leis que ajudam a oprimir o povo. Quem cria as leis injustas são certos governantes e algumas pessoas da elite econômica, com o objetivo de defender seus privilégios pessoais. Elas não levam à libertação de ninguém.
A lei do povo de Deus não nasceu assim. Ela surgiu de um povo de escravos, de gente humilde que enfrentou os poderosos e confiou somente na força de Deus. Com a lei, o povo queria garantir os direitos de cada pessoa… até dos animaizinhos do campo (Dt 22,6-7)
A lei do povo de Deus tem como objetivo:
• defender a liberdade tão duramente conquistada;
• organizar a vida do povo na justiça e na igualdade;
• anunciar ao mundo todo, pelo testemunho de vida do povo, que Deus é Libertador;
• ensinar o povo a praticar o amor a Deus e ao próximo.

LEI: ESCOLA DA VIDA
Toda lei tem a função de ensinar, ou seja, é pedagógica. A lei de Deus ensina o povo a andar no caminho que leva à libertação.
Quando dizemos: “não mate” (Ex 20,13), não estamos apenas proibindo um ato. Estamos ensinando que uma pessoa não tem o direito de tirar o vida de outra. Também ensinamos que é preciso zelar pela vida do outro como da nossa e que a vida é preciosa aos olhos de Deus.
O apóstolo Paulo explicou o papel da lei na Carta aos Gálatas (3,23-24;4,1-7).
A lei é como a professora que ensina o aluno a ler. Enquanto o aluno aprende, a professora fica ao lado corrigindo os erros.
Em certo momento, o aluno já aprendeu tão bem que não precisa mais da professora. Deixa de ser aluno. A maior felicidade da professora é ver seus ex-alunos se virando sozinho e até ensinando a outros.
Por isso, vemos que muitos aspectos da lei do AT, já não servem para nós, hoje. Elas deram a lição, o povo aprendeu e não precisou mais delas.
Um exemplo é a lei do “olho por olho”: não cobrar de volta mais do que foi perdido (Dt 19,21). Os povos antigos cobravam sete por um (Gn 4,24)! Na época do AT, a lei do “olho por olho” serviu para impedir o povo de se auto-destruir pelas vinganças mútuas. Na época de Jesus, essa lei já estava superada (Mt 5,38-42).

OS MANDAMENTOS
A Bíblia diz que o próprio Deus proclamou as palavras da lei (Ex 20,1). Não era uma lei qualquer! Dela dependia a liberdade e a sobrevivência do povo!
A lei da Aliança é sagrada não só porque se refere à vida religiosa. As leis bíblicas se preocupam com o cotidiano do povo, com situações familiares, políticas e sociais. Elas objetivam melhorar a vida do povo e não estabelecer meras obrigações de devoção.
É sagrada toda lei que promove a verdadeira justiça, defende a vida e ensina o povo a caminhar com Deus.
Entre as várias leis do AT, há um pequeno grupo que se destaca. Para a Igreja, elas formam um resumo do ensinamento do AT e sinal da eterna Aliança entre Deus e a humanidade. São os mandamentos.
Na Bíblia, temos os mandamentos tais como o povo daquela época viveu e ensinou de geração em geração. Vejam em Ex 20,1-17 e Dt 5,1-21.
A assinatura do autor dos mandamentos, em vez de estar no fim, está no começo (Ex 20,2; Dt 5,6):
“Eu sou Javé, seu Deus que fiz você sair da terra do Egito, da casa da escravidão”.
Essa frase é a chave para ler, entender e praticar corretamente os mandamentos.

Os mandamentos não são:
• freios para conter a rebeldia do catequizando ou para causar medo às crianças;
• um dado arqueológico que serve apenas para explicar fatos do passado;
• uma régua para medir a santidade nossa ou dos outros.
Mandamentos são:
• estrada rumo à libertação e à vida em plenitude;
• proposta de vida pessoal e social;
• sinal da Aliança entre Deus e seu povo, que somos nós;
• instrumento pedagógico na educação da fé.

Os mandamentos visam a liberdade do ser humano para a glória de Deus. Não é possível falar dos mandamentos na catequese sem o princípio da interação fé-vida, que promove a participação, o diálogo e o amadurecimento do catequizando pela escuta da Palavra de Deus.

Fonte: Folheto Ecoando 5 – formação interativa com catequistas – Editora Paulus

A fórmula secreta de São João Bosco para ganhar na loteria

Quer saber como ganhar na loteria? São João Bosco revela os “números mágicos” que você deve jogar para sempre levar o prêmio.

Viveu, no século XIX, um homem muito famoso por seus milagres e profecias. Mesmo antes de morrer em odor de santidade, a fama de São João Bosco se espalhava por todos os lados. A uns, anunciava-lhes por quantos anos havia de viver; a outros, dizia-lhes a profissão que teriam no futuro; e, a muitos, adivinhava-lhes os pecados antes que os contassem no confessionário. Ao todo, Dom Bosco – como era chamado – realizou mais de oitocentos milagres.

Conta-se que um homem pobre, tendo ouvido falar das maravilhas que operava este humilde sacerdote, correu um dia à sua procura para perguntar-lhe algo muito importante: a fórmula para ganhar na loteria. O rapaz queria que o santo lhe dissesse que números deveria escolher na hora de comprar o bilhete.

São João Bosco pensou por um momento e logo lhe respondeu com plena segurança:

“Os ‘números mágicos’ para que você ganhe na loteria são estes: 10, 7 e 14. Jogue-os, em qualquer ordem, que você conseguirá.”

O homem se encheu de alegria e já ia sair correndo para comprar o bilhete, quando o santo, tomando-o pelo braço, disse-lhe sorridente: “Um momento, porque não lhe expliquei bem os números, nem lhe disse de que tipo de loteria eu estava falando. Veja, estes números significam o seguinte:

  • 10 quer dizer que você deve cumprir os Dez Mandamentos;
  • 7, que você deve receber com frequência os Sacramentos;
  • e 14, que você deve praticar as 14 obras de misericórdia, tanto as corporais como as espirituais.”

O santo concluiu: “Se você cumprir estas três coisas: observar os Mandamentos, receber bem os Sacramentos e praticar as obras de misericórdia, ganhará na melhor e mais extraordinária de todas as loterias, que é a glória eterna do Céu.”

O homem compreendeu e, ao invés de procurar a lotérica, foi ao asilo para oferecer uma esmola.

A esmola faz parte das 7 obras de misericórdia corporal, que são:

  1. Dar de comer a quem tem fome;
  2. Dar de beber a quem tem sede;
  3. Vestir os nus;
  4. Dar pousada aos peregrinos;
  5. Assistir aos enfermos;
  6. Visitar os presos;
  7. Enterrar os mortos.

Há ainda as obras de misericórdia espiritual, que são as seguintes:

  1. Dar bom conselho;
  2. Ensinar os ignorantes;
  3. Corrigir os que erram;
  4. Consolar os aflitos;
  5. Perdoar as injúrias;
  6. Sofrer com paciência as fraquezas do próximo;
  7. Rogar a Deus por vivos e defuntos.

Longe de ser uma invenção distante da realidade, a lista das obras de misericórdia constitui uma forma prática de viver o próprio mandamento do amor ao próximo, em atenção ao que Cristo ensinou e pediu que fizéssemos aos mais pequeninos dos nossos irmãos (cf. Mt 25, 40). Embora tenha sido negligenciada em alguns ambientes de catequese, essa relação continua sendo, junto com os Mandamentos e os Sacramentos, a escada segura para “ganhar na loteria” da vida eterna.

10, 7 e 14: invista todo o seu coração nestes números e você será verdadeiramente feliz aqui na terra e no Céu!

(Fonte)