“A Ressurreição de Jesus”


O núcleo central da fé cristã é a proclamação da Ressurreição de Jesus. Isto aparece na Escritura Sagrada com a afirmação paulina: “Se Cristo não ressuscitou, vã é a nossa pregação, e vã é também a nossa fé” (ICor 15,14). De fato, todo o conteúdo de nossa fé – doutrina, liturgia e moral – encontra nesta proclamação da vitória de Cristo sobre a morte o seu fundamento.

Ressuscitar dos mortos
Morrer significa a separação da alma e do corpo. Ora, Jesus tinha duas naturezas: a divina e a humana. Quando a alma de Jesus se separa de seu corpo, a natureza divina continua unida a estas duas realidades, possibilitando novamente a união delas. Esta união do corpo com a alma após a morte é chamada de Ressurreição dos mortos. Só Jesus podia realizá-la porque reunindo em si uma só pessoa com duas naturezas, sustentou com a divina a fraqueza da natureza humana, transformando-a de morte para vida. Isto é o que nos ensina São Gregório de Nissa: “Pela unidade da natureza divina, que permanece presente em cada uma das duas partes do homem, estas se unem novamente. Assim, a morte se produz pela separação do composto humano, e a Ressurreição, pela união das duas partes separadas”.

Qual a importância da Ressurreição de Cristo?
O CIC nos apresenta, pelo menos, cinco consequências importantes da Ressurreição do Senhor. Primeiro, diante dela, devemos crer que tudo o que Jesus falou e fez é verdadeiro, pois todo o seu ministério anterior é confirmado pela sua vitória sobre a morte. Além disto, ela é o cumprimento das promessas do Antigo Testamento, porque tudo aquilo que Deus tinha preparado e anunciado na história do povo da antiga aliança encontrou realização e cumprimento no triunfo de Jesus. A terceira consequência é a confirmação da identidade de Jesus. Diante da Ressurreição os títulos de Jesus ganham relevo e confirmação, sobretudo, aqueles que de maneira mais explícita revelam que Ele é Deus: “Eu Sou” (Jo 8,28) e “Filho de Deus” (At 13,32-33).
A quarta consequência é a justificação advinda da vitória definitiva sobre o pecado. Com sua Ressurreição, o Senhor “nos torna justos”, ou seja, recebemos a graça para vivermos uma vida nova. Esta vida é uma comunhão íntima com a do Crucificado-Ressuscitado. Com ela os homens recebem a adoção filial, isto é, nos tornamos irmãos de Jesus, e nEle, filhos do mesmo Pai. Esta adoção é fruto da graça de Deus que nos faz participantes da vida do Senhor. A quinta consequência é que a Ressurreição de Cristo se torna o princípio e a fonte da nossa ressurreição futura. Assim, como a alma e corpo de Cristo se uniram novamente após a morte; desta forma, nós esperamos a nossa ressurreição. Podemos olhar a morte como uma passagem para uma realização mais plena e como vitória sobre toda a dor e todo pecado.

O túmulo e as Aparições
Não existem no sentido estrito provas da Ressurreição de Cristo, visto que nenhum homem viu e documentou o momento exato dela. Todavia, o sepulcro vazio é um sinal essencial de tal evento. Contemplando o túmulo aberto, com os panos mortuários dobrados e a ausência do corpo do Senhor, as mulheres e os discípulos reconheceram a Ressurreição.
Após este reconhecimento, tanto as mulheres como os discípulos se encontraram com o Ressuscitado. Tal encontro se tornou a base da fé cristã: o testemunho daqueles primeiro discípulos, que além de terem vivido com o Senhor em vida, estiverem com Ele após a sua morte – Ele está vivo! O conteúdo dos relatos da aparição de Jesus é de caráter eclesiológico, ou seja, Jesus Ressuscitado está revelando os pontos centrais do tempo novo, inaugurado pela sua Páscoa – o tempo da Igreja.
Alguns teólogos querem interpretar a Ressurreição como um evento psicológico-social. Esta interpretação foge da compreensão da fé cristã católica. O CIC, no nº 644, diz: “A hipótese segundo a qual a ressurreição teria sido um ‘produto’ da fé (ou da credulidade) dos apóstolos carece de consistência. Muito pelo contrário, a fé que tinham na Ressurreição nasceu – sob a ação da graça divina – da experiência direta da realidade de Jesus ressuscitado”.

O Corpo Glorioso
Apesar de a Ressurreição ser o reencontro entre a alma e o corpo de uma pessoa após a morte, este último não se apresenta da mesma maneira como ele era antes da separação. Por causa do pecado, nesta vida, o corpo apresenta as seguintes debilidades: ele pode se separa da alma (morte), apresenta debilidades, deficiências e doenças, se torna instrumento para o pecado e perde a santidade original. Por ocasião das aparições do ressuscitado, podemos ver que o corpo não está mais submetido às consequências do pecado. Assim, ele se apresenta com as decorrentes qualidades: imortalidade (venceu a morte), integridade (venceu a dor e o sofrimento físico), impassibilidade (venceu a tentação ao pecado) e fulgor (refletirá a glória divina). Este corpo livre dos efeitos do pecado e renovado na Ressurreição chama-se corpo glorioso. A Ressurreição é a garantia da unidade pessoal liberta dos efeitos do pecado.

Para aprofundar…
Para saber mais sobre o assunto, indicamos CIC, nos 638 até 658; o Compêndio do Catecismo, da pergunta 126 à 131; o Youcat, da pergunta 104 até a 108; e, o Capítulo 1 da Gaudium et Spes.

Pe. Vitor Gino Finelon
Professor das Escolas de Fé e Catequese
Mater Ecclesiae e Luz e Vid

(Fonte)

 

Sinal do Reino entre nós


O QUE ENTENDEMOS POR “REINO DE DEUS”?
Esta expressão aparece mais de cem vezes nos evangelhos.
É necessário entender porque Jesus falava sobre o Reino. Na época de Jesus, existiam reis, reinos, reinados. O rei tinha poder absoluto sobre o povo e dizia que seu poder vinha diretamente de Deus.
Assim como hoje nós desejamos que o Brasil tenha um regime político mais justo, os judeus também aspiravam por um novo rei, na esperança de mudar o poder.
Por exemplo: quando se falava do Reino de Deus no tempo do reino de César, significava a negação do poder de César.

Onde está o Reino de Deus ou o Reino dos Céus?
Muita gente ainda pensa que o Reino dos Céus é só depois da nossa morte.
O Reino que Jesus revelava e queria que se realizasse era o Projeto do Pai de salvar e libertar toda a humanidade trazendo-lhe felicidade plena. Projeto que consiste na vivência da justiça, da fraternidade, da liberdade, da paz, do serviço, da alegria e da fé.
Foi muito difícil entender que tipo de reinado Jesus estava anunciando e prometendo. Depois da vinda do Espírito Santo os seguidores de Jesus perceberam o que era a Boa Notícia do Reino.

Para que os seus discípulos e o povo entendessem a Boa Notícia, Jesus lhes falava por meio de parábolas.
As parábolas foram o meio que Jesus escolheu para falar sobre as maravilhas de Deus e de seu Reino.
Há no evangelho algumas dezenas de parábolas que visam explicar esse Reino que a pessoa deve despertar e desenvolver dentro de si.
O povo não entendia o que na realidade era esse Reino. Jesus falava dele através de comparações e analogias.

Dizia só o que era semelhante a esse reino…
“semelhante a um grão de mostarda” (Mt 13,31-32)…
“a uma mulher que põe um pouco de fermento na massa” (Mt 13,33)…
“a um comprador que procura pérolas preciosas” (Mt 13,45-46)…
“a uma rede lançada ao mar” (Mt 13, 47-50)…
“a um tesouro escondido” (Mt 13,44).

Jesus afirmou que o Reino de Deus não tem o mesmo sentido de um reinado dominante, de um modelo político que assume o poder numa sociedade onde há mordomias, súditos, privilégios. O Reino de Deus não é algo que vem de fora. O Reino de Deus está dentro de nós, entre nós, como uma semente. Esse Reino de Deus existe em todas as pessoas; mas, na maior parte está dormente, em fase embrionária. Muitos não sabem que o Reino é uma maneira de viver. Compete aos catequistas despertar nos corações dos catequizandos a existência dessa semente do Reino para que cresça no mundo a Vida: a justiça, o amor e a liberdade.

Viver o Reino de Deus, aqui e agora, significa uma contínua conversão, uma mudança de vida:
“O Reino de Deus está próximo. Convertam-se e acreditem na Boa Notícia” (Mc 1,15).
A Igreja é chamada a viver as exigências do Reino. A Igreja deve ser o modelo, a amostra do que é o Reino como Jesus propôs.

A IGREJA É SINAL E SACRAMENTO DO REINO
O Reino de Deus é mais amplo e abrangente do que a Igreja.
A Igreja está a serviço do Reino. Todas as pessoas, todos os povos que vivem os valores do Reino (paz, justiça, fraternidade, partilha…) pertencem ao Reino de Deus.
Como catequistas estamos a serviço do Reino, que é crer e vivenciar o que aprendemos pela fé. É viver o amor de Deus em união com os irmãos.

• Ler o capítulo 13 de Mateus, descobrindo e partilhando no grupo as comparações do Reino de Deus.
• Como podemos anunciar isto aos catequizandos e ser sinal do reino de Deus de forma clara e convincente?

Fonte – Folheto Ecoando 10 – formação interativa com catequistas – Editora Paulus

Compromisso com a verdade

O compromisso com a verdade é tema inspirador dos fundamentos do Documento da Catequese Renovada:
• A fidelidade a Cristo,
• à Igreja e
• ao homem.

Para alcançar esta fidelidade é necessário que a catequese se comprometa com a verdade sobre Jesus Cristo, sobre a Igreja e sobre a pessoa humana.

A catequese renovada procura anunciar; não tanto uma “doutrina”, mas a pessoa de Jesus Cristo. É um itinerário de conversão a Jesus Cristo e de adesão a sua mensagem e missão.
O ideal da catequese é fazer com que os catequizandos tenham um encontro pessoal com Jesus Cristo, como seu Senhor e Salvador, Mestre e Guia, Caminho, Verdade e Vida. Levar ao conhecimento do Mistério de sua vida, morte e ressurreição.

Neste conhecimento de Jesus, como enviado do Pai, deve-se ressaltar a sua grande missão de Sacerdote, Pastor e Profeta.
Jesus proclamou o Reino de Deus, viveu pobre e no meio dos pobres, denunciou as injustiças, anunciou a salvação, o amor e a misericórdia de Deus Pai, através de sua vida, de seus ensinamentos e principalmente pelo Mistério Pascal.

Uma catequese cristocêntrica, isto é, aquela onde Jesus Cristo é o ponto central das verdades reveladas, é ao mesmo tempo uma catequese trinitária: Cristo, o Filho de Deus, revela o Pai e envia o Espírito Santo que suscita conversão, transformação e compromisso.

É importante que o catequista compreenda essas verdades aprofundando-as na sua própria vida, buscando conhecê-las principalmente na Palavra de Deus e nos ensinamentos da Igreja.

Para ter compromisso com a VERDADE SOBRE A IGREJA, o catequista precisa conhecê-la, nos seguintes aspectos:
1- A Igreja como Mistério.
Foi fundada por Jesus Cristo e é orientada pelo Espírito Santo até o fim dos tempos.
2- A Igreja como Povo de Deus e Corpo de Cristo.
Ela se realiza nas pequenas comunidades em união com toda a Igreja, onde os cristãos, pelo Batismo, são chamados a servir e participar dela. O catequista deve ser formado no amor e na fidelidade a esta Igreja em nível comunitário, paroquial, diocesano, nacional e universal.
3- A Igreja Apostólica e Missionária.
Foi fundada na fé dos Apóstolos e, hoje, seus pastores, os Bispos sucessores dos Apóstolos, a guiam em união com o Papa. Como Igreja, são continuadores da missão de Jesus. Os catequistas não devem descuidar da dimensão missionária da Igreja.
4- A Igreja Sacerdotal e Profética.
Através da fé e dos sacramentos a Igreja santifica seus membros e proclamam o Reino de Deus com coragem, mesmo em conflito com a sociedade.
5- A Igreja Santa e Pecadora.
É feita de pessoas fracas, limitadas e pecadoras. É preciso que haja uma constante conversão de seus membros.
6- A Igreja-Comunidade.
É a vida comunitária de fé, de solidariedade, de partilha, de oração e de participação. A catequese deve formar os catequizandos para a vivência numa comunidade. Para isso, é necessário ir formando equipes de catequistas com os catequizandos.
7- A Igreja dos Pobres.
A atitude de Jesus deve ser assumida pela Igreja: “evangelizar os pobres” (Lc 4,18). A opção pelos pobres pode e deve impulsionar a Igreja a descobrir a exigência radical do Evangelho, com o anúncio, com a fraternidade, com a justiça e com a promoção humana.

• O que significa Igreja para nós? Qual o compromisso que podemos assumir depois deste estudo?
• Como participamos de nossa comunidade?

Fonte: Folheto Ecoando 6 – formação interativa com catequistas – Editora Paulus