Ano Nacional do Laicato

A Igreja no Brasil vai celebrar, no período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, à 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”.

O tema escolhido para o Ano do Laicato foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14. Segundo o bispo de Caçador (SC), dom Severino Clasen, presidente da Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato, pretende-se trabalhar a mística do apaixonamento e seguimento a Jesus Cristo. “Isto leva o cristão leigo a tornar-se, de fato, um missionário na família e no trabalho, onde estiver vivendo”, disse o bispo.

O Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

Documento nº 105

Pretende ainda: “Dinamizar o estudo e a prática do documento 105: ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade’ e demais documentos do Magistério, em especial do Papa Francisco, sobre o Laicato; e estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, ‘verdadeiros sujeitos eclesiais’ (DAp, n. 497a), como “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade.

A Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato organizou as atividades em quatro eixos: 1) Eventos; 2) Comunicação, catequese e celebração; 3) Seminários temáticos nos Regionais; e 4) Publicações.

Segundo o presidente da comissão, dom Severino, espera-se que este ano traga um legado para a Igreja missionária autêntica, com maior entusiasmo dos cristãos leigos e leigas na vida eclesial e também na busca da transformação da sociedade. “Eu acredito que se conseguirmos estimular a participação e presença efetiva dos cristãos leigos na sociedade provocando que aconteça a justiça e a paz, será um grande legado”, disse o bispo.

(Fonte: CNBB)

 

Anúncios

Compromisso com a verdade

O compromisso com a verdade é tema inspirador dos fundamentos do Documento da Catequese Renovada:
• A fidelidade a Cristo,
• à Igreja e
• ao homem.

Para alcançar esta fidelidade é necessário que a catequese se comprometa com a verdade sobre Jesus Cristo, sobre a Igreja e sobre a pessoa humana.

A catequese renovada procura anunciar; não tanto uma “doutrina”, mas a pessoa de Jesus Cristo. É um itinerário de conversão a Jesus Cristo e de adesão a sua mensagem e missão.
O ideal da catequese é fazer com que os catequizandos tenham um encontro pessoal com Jesus Cristo, como seu Senhor e Salvador, Mestre e Guia, Caminho, Verdade e Vida. Levar ao conhecimento do Mistério de sua vida, morte e ressurreição.

Neste conhecimento de Jesus, como enviado do Pai, deve-se ressaltar a sua grande missão de Sacerdote, Pastor e Profeta.
Jesus proclamou o Reino de Deus, viveu pobre e no meio dos pobres, denunciou as injustiças, anunciou a salvação, o amor e a misericórdia de Deus Pai, através de sua vida, de seus ensinamentos e principalmente pelo Mistério Pascal.

Uma catequese cristocêntrica, isto é, aquela onde Jesus Cristo é o ponto central das verdades reveladas, é ao mesmo tempo uma catequese trinitária: Cristo, o Filho de Deus, revela o Pai e envia o Espírito Santo que suscita conversão, transformação e compromisso.

É importante que o catequista compreenda essas verdades aprofundando-as na sua própria vida, buscando conhecê-las principalmente na Palavra de Deus e nos ensinamentos da Igreja.

Para ter compromisso com a VERDADE SOBRE A IGREJA, o catequista precisa conhecê-la, nos seguintes aspectos:
1- A Igreja como Mistério.
Foi fundada por Jesus Cristo e é orientada pelo Espírito Santo até o fim dos tempos.
2- A Igreja como Povo de Deus e Corpo de Cristo.
Ela se realiza nas pequenas comunidades em união com toda a Igreja, onde os cristãos, pelo Batismo, são chamados a servir e participar dela. O catequista deve ser formado no amor e na fidelidade a esta Igreja em nível comunitário, paroquial, diocesano, nacional e universal.
3- A Igreja Apostólica e Missionária.
Foi fundada na fé dos Apóstolos e, hoje, seus pastores, os Bispos sucessores dos Apóstolos, a guiam em união com o Papa. Como Igreja, são continuadores da missão de Jesus. Os catequistas não devem descuidar da dimensão missionária da Igreja.
4- A Igreja Sacerdotal e Profética.
Através da fé e dos sacramentos a Igreja santifica seus membros e proclamam o Reino de Deus com coragem, mesmo em conflito com a sociedade.
5- A Igreja Santa e Pecadora.
É feita de pessoas fracas, limitadas e pecadoras. É preciso que haja uma constante conversão de seus membros.
6- A Igreja-Comunidade.
É a vida comunitária de fé, de solidariedade, de partilha, de oração e de participação. A catequese deve formar os catequizandos para a vivência numa comunidade. Para isso, é necessário ir formando equipes de catequistas com os catequizandos.
7- A Igreja dos Pobres.
A atitude de Jesus deve ser assumida pela Igreja: “evangelizar os pobres” (Lc 4,18). A opção pelos pobres pode e deve impulsionar a Igreja a descobrir a exigência radical do Evangelho, com o anúncio, com a fraternidade, com a justiça e com a promoção humana.

• O que significa Igreja para nós? Qual o compromisso que podemos assumir depois deste estudo?
• Como participamos de nossa comunidade?

Fonte: Folheto Ecoando 6 – formação interativa com catequistas – Editora Paulus

Formação de comunidades catequizadoras


Formar comunidades catequizadoras exige, num primeiro passo, crescer na comunicação com outras pessoas.
A sociedade oferece muitos meios para isso, como o telefone, Internet e outras formas de comunicação, facilitando o intercâmbio e permitindo a comunicação, mesmo com pessoas que estejam bem distantes de nós.
Na Igreja, também existem muitos grupos que ampliam a comunicação entre pessoas: organizações, comissões, associações, movimentos… Multiplicam-se as reuniões, as assembleias, os encontros, crescendo novos círculos de amizades.
Pela comunicação e acolhimento a catequese assume atividades evangelizadoras, movida pelo Espírito Santo. Essas atividades Têm como finalidade manter o próprio grupo, tornando-o comunidade catequizadora.

Quando a comunidade se torna catequizadora?
Quando:
• anuncia ao mundo a Boa Nova do Reino de Deus;
• dá testemunho de fraternidade, fazendo opção pelos pobres e levando ao compromisso com a justiça e a libertação;
• aprofunda a fé dos que participam da comunidade;
• transforma a sociedade pela força da oração, do testemunho e do anúncio da Palavra de Deus;
• celebra na comunidade os Sacramentos, a presença de Jesus na Eucaristia nas manifestações de religiosidade popular, especialmente, na devoção a Maria e aos Santos.

A COMUNIDADE DE JESUS
Olhando para Jesus, percebemos de imediato que ele fez a experiência de anunciar o Reino em grupo, formando uma comunidade:
• formou um grupo (Mt 4,18-22; Mc 1,16-20);
• chamou os apóstolos pelo nome (Mt 10,2-4);
• enviou-os em missão e deu-lhes as necessárias instruções (Mt 10,5-33);
• deu testemunho autêntico (Mt 16,21-23);
• e apresentou-lhes as exigências da missão (Mt 10,25-28).

COMUNIDADE CATEQUIZADORA É UMA COMUNIDADE DE IRMÃOS
“Para os cristãos, é de particular importância a forma comunitária de vida, como testemunho de amor e unidade. A catequese não pode limitar-se às dimensões individuais” (Medellin 8.10).
A comunidade catequizadora congrega pessoas de todas as etapas da vida, pessoas que têm o mesmo projeto, que se conhecem e que se amam. Por isso, a catequese não pode deixar de ter dimensão comunitária.

O PROGRAMA DE VIDA DA COMUNIDADE CATEQUIZADORA
1- Comunhão e participação
Antes de motivar a formação de uma comunidade, nós catequistas devemos participar da nossa comunidade nos unindo às pessoas nas diversas pastorais.
2- A comunidade é origem, lugar e meta da catequese
A comunidade catequizadora não é só espaço natural da catequese, mas o ambiente privilegiado para a educação da fé, de forte experiência de Igreja e onde se atualiza e se vive a presença de Jesus Ressuscitado.
3- Programar e planejar a catequese
Quando a comunidade deseja ser catequizadora deve ter a preocupação de planejar cuidadosamente a ação catequética, buscando dar respostas às exigências da realidade sócio-cultural-religiosa. É importante fixar prioridades e metas concretas de acordo com a realidade dentro do Plano de Pastoral.
A pessoa do sacerdote é muito importante nesta participação. De seu zelo e criatividade depende a eficácia da comunidade catequizadora.
• Quais são as atividades pastorais que existem em nossa comunidade?
• Qual é a participação de cada pessoa do nosso grupo nessas atividades da comunidade?

Fonte: Folheto Ecoando 5 – formação interativa com catequistas – Editora Paulus