A importância dos sacramentos da “Iniciação Cristã” na Igreja

A Assembleia Geral da CNBB, ocorrendo entre os dias 26 de abril e 04 de maio, está debatendo a importância da Iniciação à vida Cristã na Igreja e, consequentemente, também os sacramentos do Batismo, da Confirmação (ou Crisma) e da Eucaristia. Não se pretende, evidentemente, esgotar o amplo assunto, que tem um texto base para ser debatido e posteriormente votado para um futuro documento de nossa conferência episcopal sobre tão importante questão.

A iniciação à vida cristã tem um dinamismo próprio, que nos vem da antiga tradição da Igreja e que tanto necessitamos hoje. A nossa Arquidiocese tem um trabalho já há um bom tempo sendo construído e aprofundado.

No passado tínhamos a preparação para os Sacramentos, agora a ênfase é a vida cristã, porém sempre é importante, nestes momentos de definição, aprofundarmos um pouco sobre os Sacramentos ligados à Iniciação Cristã.

É bom recordar a importante definição teológico-linguística do termo Sacramento de acordo com a explanação feita pela Igreja: “A palavra grega mysterion foi traduzida, no latim, por dois termos: mysterium e sacramentum. Na segunda interpretação, o termo sacramentum exprime prevalentemente o sinal visível da realidade oculta da salvação, indicada pelo termo mysterium. Neste sentido, o próprio Cristo é o mistério da salvação: ‘Nem há outro mistério senão Cristo’ (Santo Agostinho. Epistulale 187, 11,34: Patrologia Latina 33,845). A obra salvífica da sua humanidade santa e santificadora é o sacramento da salvação, que se manifesta e atua nos sacramentos da Igreja (que as Igrejas do Oriente chamam também ‘os santos mistérios’). Os sete sacramentos são os sinais e os instrumentos pelos quais o Espírito Santo derrama a graça de Cristo, que é a Cabeça, na Igreja, que é o seu Corpo. A Igreja possui, pois, e comunica a graça invisível que significa: e é neste sentido analógico que é chamada ‘sacramento’”. (Catecismo da Igreja Católica, n. 774)

Como se vê, podemos formular a seguinte interpretação do conteúdo sacramental na vida eclesial: ele é um sinal (semeion, em grego) eficiente que realiza aquilo que significa ou assinala. Desse modo, teríamos uma importante definição: a santíssima Humanidade de Cristo é o sinal eficiente ou transmissor da graça divina; a Igreja, Seu Corpo Místico prolongado na História (cf. Cl 1,24) também o é. Ora, a Liturgia dessa mesma Igreja continua essa função com seus ritos sagrados, oferecendo aos fiéis sete canais da graça divina a nos levar à vida eterna, à qual todos somos chamados, dado sermos filhos no Filho (cf. Gl 4,5). Eis, porque podemos fazer um esquema de quanto foi dito: Vida Eterna → Jesus Cristo → Igreja → Sete Sacramentos → Graça Santificante → Cristão.

Importa, aliás, a propósito da eficácia – e não do mero simbolismo – sacramental, recordar Tertuliano (falecido em 220 aproximadamente), ao escrever sobre o Batismo e a Eucaristia, em vista da ressurreição do corpo e da alma no último dia (cf. Jo 6,40), que “A carne é o eixo da salvação… Lava-se o corpo a fim de que a alma seja purificada; unge-se o corpo a fim de que a alma seja consagrada… O corpo é nutrido pelo Corpo e Sangue de Cristo, a fim de que a alma se alimente de Deus… Não podem, pois, ser separados na recompensa, já que estão unidos nas obras de salvação”. (Sobre a Ressurreição da Carne 8, Patrologia Latina 2,852)

Santo Agostinho de Hipona († 430) também ensinava: “O que vedes, caríssimos, na mesa do Senhor, é pão e vinho; mas esse pão e esse vinho, acrescentando-se-lhes a palavra, tornam-se corpo e sangue de Cristo… Tira a palavra, e tens pão e vinho; acrescenta a palavra, e já tens outra coisa. E essa outra coisa o que é? Corpo e Sangue de Cristo. Tira a palavra, e tens pão e vinho; acrescenta a palavra, e tens um sacramento. A isso tudo vós dizeis: ‘Amem’. Dizer ‘Amem’ é subscrever. ‘Amem’ em latim significa: ‘É verdade’”. (Sermão 6,3)

Os sacramentos não representam apenas, mas efetuam ou realizam aquilo que significam, uma vez que a Palavra de Deus é viva e eficaz, de modo que, no plano salvífico, a palavra proclama o feito divino e o feito confirma essa palavra. Daí se poder afirmar que temos a Palavra → Feito e, em contrapartida complementadora, o Feito → Palavra. Daí se entender que o contato do cristão com Cristo, o Mestre, não se dá como em uma escola de Filosofia da Antiguidade ou de qualquer outra época, de modo apenas psicológico ou afetivo. Ao contrário, é uma união ontológica (do ser): o cristão é tocado, diretamente, por Cristo por meio dos sete sacramentos da Igreja, transmissores da graça divina a cada homem e mulher de todos os tempos e lugares.

Isso é o que nos ensina a propósito da relação Palavra e Feito, o Concílio Vaticano II: “Esta ‘economia’ da revelação realiza-se por meio de ações e palavras intimamente relacionadas entre si, de tal maneira que as obras, realizadas por Deus na história da salvação, manifestam e confirmam a doutrina e as realidades significadas pelas palavras; e as palavras, por sua vez, declaram as obras e esclarecem o mistério nelas contido. Porém, a verdade profunda tanto a respeito de Deus como a respeito da salvação dos homens, manifesta-se-nos, por esta revelação, em Cristo, que é, simultaneamente, o mediador e a plenitude de toda a revelação”. (Constituição Dei Verbum, n. 2)

Isso posto, convém que digamos uma palavra a propósito da ação dos Sacramentos na Igreja. Ela ensina que todo sacramento age ex opere operato, ou seja, por efeito próprio ou do rito em si, de modo que independe da santidade do ministro humano aplicador do rito. Em outras palavras, cada um dos sete sacramentos age por força própria, porque é Cristo, o ministro principal, a agir garantindo a autenticidade do rito, desde que nesse rito sejam utilizadas a matéria e a forma própria (na Eucaristia, a matéria é o pão e o vinho e a forma a repetição das palavras do Senhor na última Ceia).

Por aí vemos que Cristo age nos sacramentos não obstante a indignidade, maior ou menor, do ministro que O representa. O pecado ou a infidelidade do ministro não afetam a validade do sacramento. Por exemplo, um sacerdote pouco digno que celebre a Eucaristia, sendo validamente ordenado, aplicando a matéria e a forma apropriadas e tendo a intenção de fazer o que fez o Senhor Jesus, celebra de modo válido para o bem do Povo de Deus. Certo é que se espera do ministro ordenado que aja como tal e não à moda de um mero funcionário do sagrado e sem fé. Deve ele ter os mesmos sentimentos de Cristo (cf. Fl 2,5). Todavia, esse aspecto pessoal do ministro não invalida o sacramento, conforme já apontava São Tomás de Aquino na Suma Teológica III, q. 6, at. 4.

Com os sacramentos – que não dependem de forças tão somente humanas, mas da ação divina – não há dispensa do receptor de ter boas disposições a fim de que a graça recebida dê frutos. Quem recebe um sacramento em estado objetivo de pecado, além de não alcançar a graça daquele sacramento, ainda comete mais um pecado, o do sacrilégio, como lembra o Apóstolo Paulo no que concerne à Eucaristia (cf. 1Cor 11,29).

Isso porque, apesar da ação divina objetiva no sacramento, Deus respeita a liberdade de cada fiel, de modo que Santo Agostinho de Hipona podia afirmar: “Aquele que te criou sem ti, não te salva sem ti”. Quem se fecha à graça comete o pecado contra o Espírito Santo, pecado impossibilitador da salvação eterna (cf. Mt 12,31-32). É o caso em que Deus tudo faz pelo ser humano, mas este O responde com desdém, desperdiçando a graça oferecida e, por conseguinte, afastando-se d’Ele.

Diante desse quadro é que importa, e muito, a reflexão sobre a iniciação à vida cristã, que sejamos ajudados pela compreensão dos três sacramentos – canais da graça divina: o Batismo, a Crisma e a Eucaristia.

Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro

(Fonte)

Dinâmica de Grupo


DINÂMICA DE GRUPO (DG), O QUE É?
“Dinâmikos” é a palavra grega que quer dizer: força, energia, ação. quando, em 1994, K. Lewin utilizou essa expressão, seu objetivo era treinar pessoas para comportamentos novos através de discussão e de decisão em grupo, em substituição ao método tradicional de transmissão sistemática de conhecimento.
A DG é uma técnica que ajuda os grupos de forma clara, simples e rápida. O seu objetivo não é o ativismo, mas a ação transformadora no meio ambiente e na sociedade.

ESTRUTURAS DAS DINÂMICAS DE GRUPO:
a) Objetivo – quando escolhermos uma dinâmica devemos ter bem claro o que se pretende com a aplicação dessa dinâmica.
b) Desenvolvimento da dinâmica – escolher a DG conforme o tema, o número de participantes, com suas faixas etárias e o tempo disponível para a sua realização. O bom resultado depende da experiência e da criatividade do coordenador.
c) Avaliação no final da DG – rever a sua aplicação: qual foi o seu objetivo e qual foi o compromisso que ela sugeriu.

QUAL SUA IMPORTÂNCIA?
Usa-se a DG para:
* treinar as pessoas na participação, na experiência grupal, facilitando a comunicação e o desempenho das diferentes tarefas e lideranças;
* expor e aprofundar as reflexões de temas;
* elaborar o planejamento e a revisão;
* perceber e analisar a realidade, fazendo crescer um diálogo comprometedor.

A DG deve dar a oportunidade para:
* criar fraternidade e
* aprofundar as relações humanas.

Não devemos usar DG só para preencher o tempo ou como recreação. O objetivo da DG é mais profundo: é o compromisso grupal.
A metodologia da DG é a de “aprender fazendo”, com criatividade. É diferente de “jogos” que servem para divertir e unir as pessoas.

DIFICULDADES E LIMITAÇÕES DA DG
Não devemos considerar a DG como técnica milagrosa. Ela nunca haverá de substituir o esforço pessoal e grupal para melhor viver o espírito fraterno. Lembrar sempre que a DG é um meio e não um fim. seu enfoque e aplicação dependem em grande parte de quem a utiliza.

POR QUE É IMPORTANTE A DG NA CATEQUESE?
Normalmente os catequistas que se interessam pela DG compreendem o valor do trabalho em grupo e da vida comunitária. Sabem que no grupo se aprende a refletir e analisar a realidade.
É no grupo, também, que se adquirem novas energias, frutos da redução de tensões e angústias das pessoas.
Os catequistas compreendem que a fé cristã deve ser vivida em comunidade, porque a fé não é uma simples religiosidade, mas um compromisso com os irmãos.
O ser humano não encontra sentido quando está isolado. Os catequistas realizam-se plenamente quando sentem que fazem parte integrante da comunidade e que dependem da convivência do grupo.

(Fonte: Folheto Ecoando nº 29 – formação interativa com catequistas – Editora Paulus)

Vejam abaixo algumas dinâmicas que já postei aqui no blog:

Comunicação

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO
Comunicação é a troca de mensagens entre duas ou mais pessoas ou grupos. A palavra comunicação vem do latim comunicatio – onis, que quer dizer: ato de dividir, repartir, comunicar, conversar, revelar.
Comunicar exige que se coloque algo em comum: idéias, notícias, sentimentos, emoções… É um ato constante de dar e receber. O ser humano é, antes de tudo, um ser que se comunica.

COMUNICAR É UMA EXIGÊNCIA DA VIDA EM SOCIEDADE
Ninguém consegue viver o tempo todo sozinho, isolado de outras pessoas com quem possa se comunicar. Mesmo no meio da multidão podemos nos sentir isolados dos outros. Hoje, nas grandes cidades, a falta de comunicação entre as pessoas tem sido uma das principais causas de depressão, angústia e suicídio. A solidão é um dos principais desafios da sociedade atual. Comunicar, para o ser humano, não é uma opção. É uma necessidade e direito!
A comunicação é um processo. É um conjunto de atitudes que se combinam e resultam na transformação das pessoas envolvidas.

Comunicar é uma arte, pois:
• Resulta de um aprendizado;
• Pode-se ensinar;
• Pode-se aprimorar sempre;
• Envolve a pessoa humana integralmente em todas as suas dimensões;
• Exige habilidade, capacidade, talento, esforço e doação de si;
• Humaniza, ajuda a pessoa humana a se realizar cada vez mais.

ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO
a) Transmissor e receptor: O processo de comunicação começa quando uma pessoa toma a iniciativa e aborda uma outra. Abordar ou interpelar é o mesmo que chamar a atenção de alguém para o que queremos lhe dizer. O transmissor ou emissor é aquele que toma a iniciativa. Ele transmite, ou seja, partilha sua mensagem com o receptor – a pessoa a quem se destina a mensagem transmitida.
b) Mensagem: É o conteúdo, é a ideia que está sendo comunicada. Na catequese a mensagem central é a Boa Notícia do Reino de Deus. Freqüentemente, na catequese, o catequista é transmissor da mensagem e em outros momentos, o transmissor é o catequizando. A transmissão da Boa Notícia é uma via de mão dupla: sempre tem espaço para o retorno. A mensagem vai e volta, já enriquecida com a experiência do receptor. Numa catequese em que o catequista é sempre o transmissor e o catequizando é sempre o receptor, a qualidade da comunicação fica prejudicada. A comunicação estará completa quando as pessoas envolvidas se alternarem nos papéis de transmissor e receptor. Catequista e catequizando são os sujeitos da comunicação com igual responsabilidade.

Ninguém nasce sabendo comunicar. É um aprendizado que dura a vida toda.

SUGESTÕES PARA FACILITAR O PROCESSO DA COMUNICAÇÃO
1- Organizar oficinas de leitura crítica sobre jornais, revistas, livros, imprensa.
2- Organizar dias de reflexão para melhorar e aprofundar a comunicação na comunidade.
3- Incentivar a criação de uma “Agência de Notícias” em nível de comunidade e/ ou paróquia.
4- Fazer uso da Internet.

COMUNICAÇÃO NA CATEQUESE
“Toda Bíblia é comunicação/ de um Deus amor, de um Deus irmão/ é feliz quem crê na revelação/ quem tem Deus no coração”

Essa canção é conhecida em todo o Brasil. Ela diz, em outras palavras, o que é dito em Jo 1,14: “E a Palavra se fez carne e habitou entre nós”.
Deus assumiu o nosso jeito de viver, comunicou-se conosco, adotando nossos valores humanos, falando-nos em nossa própria “língua”.
A Igreja nasce justamente no momento em que os seguidores de Jesus, impulsionados pelo Espírito Santo, saem proclamando as maravilhas de Deus na língua de cada um de seus ouvintes. É a comunicação, é o acontecimento de Pentecostes (At 2,1-13).
Esse episódio, narrado nos Atos dos Apóstolos, resume o processo de comunicação da mensagem de Jesus, a partir da inculturação.

O QUE É INCULTURAÇÃO?
Inculturação é falar e conviver com alguém ou com um povo a partir da cultura dele. Um exemplo simples: não dá para falar alemão com pessoas que só entendem o português. Ou falar em português com quem só entende guarani. Para mensagem chegar ao receptor, é necessário falar numa língua que ele conheça.
Mas a inculturação é mais abrangente. Não se refere só a língua que falamos. Refere-se também aos nossos hábitos, atitudes, costumes, opiniões, valores e idéias: toda nossa cultura, todo nosso modo de vida.
Por isso, nós nos comunicamos, também, com atitudes, opiniões, valores e idéias que expressamos de várias formas. A inculturação nos ajuda a realizar uma comunicação mais perfeita.

A Igreja, hoje, vive uma crise de comunicação. Sociedade e Igreja estão falando línguas diferentes. A catequese precisa usar uma linguagem que o povo entenda. Não podemos anunciar a Boa Notícia do Reino numa linguagem tradicional, da época em que o trabalho, a família e a religião eram os principais valores da sociedade. Não é possível fazer uma evangelização sem aderir aos meios modernos de comunicação. Hoje, os Meios de Comunicação Social (MSC) alcançaram tamanha importância que são para muitos o principal instrumento de informação e de formação, o guia e inspiração dos comportamentos individuais, familiares e sociais. Por isso, a utilização dos meios de comunicação social tornou-se essencial à evangelização e à catequese.

A catequese deve aprender a usar os meios de comunicação disponíveis ao público que deseja atingir:
* com adultos da cidade: televisão, vídeo, rádio, internet, correio, out door, folhetos, impressos, painéis, jornais, revistas, fax, cds e outros;
*com comunidades e famílias: autofalantes, faixas, cartazes, rádios, telefonemas e outros;
*com as crianças: revistas em quadrinhos, vídeos, jogos, fantoches, desenhos animados, cinema, teatrinhos, gincanas e outros.

Estes programas devem ser produzidos com qualidade para atender um público exigente que tem uma mentalidade consumista, desejando produções bonitas, curtas e objetivas.

(Fonte: Folheto Ecoando números 26 e 27, formação interativa com catequistas, Editora Paulus)